Bancários cobram da Fenaban medidas para evitar sequestro de bancários

31.07.2012

Crédito: Jailton Garcia – Contraf-CUT Os bancários cobraram da Fenaban medidas para evitar sequestros de bancários e vigilantes, durante a terceira reunião deste ano da Mesa Temática de Segurança Bancária, no último dia 30, em São Paulo. Trata-se de um dos principais problemas de insegurança e os casos ocorrem em todo país, envolvendo diferentes bancos. […]

Crédito: Jailton Garcia – Contraf-CUT

Os bancários cobraram da Fenaban medidas para evitar sequestros de bancários e vigilantes, durante a terceira reunião deste ano da Mesa Temática de Segurança Bancária, no último dia 30, em São Paulo. Trata-se de um dos principais problemas de insegurança e os casos ocorrem em todo país, envolvendo diferentes bancos. Os dirigentes sindicais apresentaram um conjunto de propostas, e o representante da Fenaban solicitou um tempo para avaliação, a fim de aprofundar a análise das medidas. "Propomos o fim da guarda das chaves dos cofres e das agências e dos postos de atendimento por bancários e vigilantes, a contratação de empresas de segurança para fazer a abertura e fechamento das unidades, a utilização de tecnologias de controle remoto para abrir e fechar os estabelecimentos e a instalação de câmeras para monitoramento de imagens em tempo real nas áreas internas e externas das agências e postos", destaca Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária.

O representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul na mesa, Danilo Anderson, observa que os sindicatos cobraram ainda “medidas pós-sequestro, como o fim das demissões e uma estabilidade provisória de 36 meses para as vítimas e a comunicação dos sequestros ao sindicato local e à Cipa".

200 assaltos a bancos no primeiro semestre

Na reunião, a Fenaban informou a ocorrência de 200 assaltos, consumados ou não, incluindo sequestros, envolvendo agências e postos de atendimento, em todo país, no primeiro semestre deste ano. Foi a primeira vez que os dados semestrais foram apresentados, resultado da cláusula 31ª (Segurança Bancária – Procedimentos especiais), da Convenção Coletiva de Trabalho de 2011/2012. “A onda de assaltos é alarmante. Os bancos tem a obrigação de investir mais em segurança, garantir a vida de bancários, vigilantes, clientes e usuários”, ressalta Danilo.

A próxima reunião da mesa temática será realizada após o final da Campanha Nacional.

Fonte: Feeb com informações da Contraf-CUT

Notícias Relacionadas

Proposta sobre Teletrabalho vai avançar

Reivindicações da categoria avançam nas negociações sobre trabalho remoto, mas Comando dos Bancários cobra agilidade na resposta sobre a proposta global A proposta da categoria bancária para o trabalho remoto avançou nas negociações realizadas na tarde desta quinta-feira (11) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Tivemos evolução no Teletrabalho que se torna cláusula da […]

Leia mais

Caixa se nega a criar GT para discutir contencioso da Funcef

Banco avalia que o tema já é tratado pela própria fundação de previdência dos trabalhadores Em reunião de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, realizada nesta quarta-feira (10), com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE), a Caixa Econômica Federação se negou a atender a reivindicação para que seja criado um grupo de trabalho (GT) […]

Leia mais

Atos pela democracia ocorrem em todo o País e reafirmam o compromisso contra o autoritarismo

Data de 11 de agosto marca a leitura de um manifesto contra ditadura militar em 1977 Brasileiros de inúmeras regiões do País realizaram nesta quinta-feira (11), atos em defesa do estado democrático de direito. Milhares de entidades representativas foram às ruas manifestar a defesa pela garantia da democracia e do sistema eleitoral eletrônico. A data […]

Leia mais

Sindicatos filiados