Bancários conquistam realização do 2º Censo da Diversidade em 2014

05.11.2012

Os bancários conquistaram na Campanha Nacional de 2012 a realização do 2º Censo da Diversidade, com planejamento em 2013 e execução em 2014. A conquista é fruto das negociações entre o Comando Nacional e a Fenaban e da mobilização da categoria por igualdade de oportunidades. A conquista está prevista no parágrafo 3º da cláusula 47ª […]

Os bancários conquistaram na Campanha Nacional de 2012 a realização do 2º Censo da Diversidade, com planejamento em 2013 e execução em 2014. A conquista é fruto das negociações entre o Comando Nacional e a Fenaban e da mobilização da categoria por igualdade de oportunidades.

A conquista está prevista no parágrafo 3º da cláusula 47ª da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) de 2012/2013, constando que "à semelhança do Censo da Diversidade realizado no setor bancário durante o ano de 2008, a Fenaban com a Comissão Bipartite de Igualdade de Oportunidades planejará um novo levantamento do perfil dos bancários ao longo do ano de 2013, de forma a efetivá-lo em 2014".

Lembrando o 1º Censo

Em 2008, os bancos envolvidos no projeto empregavam 408,9 mil dos 435 mil bancários e bancárias no país. Desse total, 204,1 mil (49,9%) responderam às perguntas do 1º Censo, realizado pela Febraban em conjunto com a Contraf-CUT, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) e Ministério Público do Trabalho.

A iniciativa contou com a assessoria do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT) e foi tema de várias audiências públicas na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

O levantamento revelou que a maioria dos empregados nos bancos era do sexo masculino (52%), brancos (77%) e estavam alocados em funções de caixa ou de escriturário (68%). Apenas 19,5% dos trabalhadores do sistema financeiro eram negros ou pardos e ganhavam, em média, 84,1% do salário dos brancos.

As mulheres recebiam 78% dos salários dos homens. A discriminação era ainda maior em relação às mulheres negras: somente 8% delas conseguiam emprego nos bancos, contra 18% da População Economicamente Ativa (PEA).

As pessoas com deficiência não conseguiam preencher, sequer, os 5% da cota exigida por força de lei.

As bancárias que ocupavam o cargo de gerente recebiam R$ 30,00 por hora trabalhada, enquanto os homens no mesmo cargo ganhavam R$ 40,00.

Notícias Relacionadas

Conferência Interestadual aprova eixos para Conferência Nacional de 2024

Sindicatos dos Bancários debateram propostas e aprovaram pautas em defesa do trabalhador. Documento será apresentado em Conferência Nacional para discussão na Campanha Salarial de 2024 Delegações de 21 regionais dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, para debater propostas que serão […]

Leia mais

Abertura da Conferência Interestadual da Feeb SP/MS conta com delegações de 21 regionais

  Primeiro dia de evento amplia visão sobre o futuro do Sistema Financeiro, Cenário Econômico Nacional e Avanço Tecnológico  A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) abriu nesta quinta-feira (11) a Conferência Interestadual dos Bancários de 2024. O tema central do evento deste ano é “Categoria […]

Leia mais

Proposta da Caixa para PcD é frustrante

Contudo, houve definição sobre pagamento dos deltas da promoção por mérito A proposta da Caixa Econômica Federal sobre redução de jornada e priorização de empregadas e empregados PcD, ou que tenham filhos de até seis anos com deficiência, frustrou a representação dos trabalhadores. “Na proposta do banco, somente há possibilidade de redução da jornada com […]

Leia mais

Sindicatos filiados