Bancários dão o recado aos banqueiros: sem proposta melhor, bancos continuam fechados

07.10.2013

No primeiro dia útil após a Fenaban retomar as negociações e apresentar uma proposta de reajuste salarial de 7,1%, os bancários de Franca demonstraram toda a sua indignação e revolta com o índice proposto mantendo-se em greve e aumentando ainda mais a paralisação. Nesta segunda-feira, o grande reforço no movimento veio dos empregados da Caixa […]

No primeiro dia útil após a Fenaban retomar as negociações e apresentar uma proposta de reajuste salarial de 7,1%, os bancários de Franca demonstraram toda a sua indignação e revolta com o índice proposto mantendo-se em greve e aumentando ainda mais a paralisação.

Nesta segunda-feira, o grande reforço no movimento veio dos empregados da Caixa Federal, já que a única agência que abriu as suas portas em Franca foi a unidade localizada na Av. Brasil. As demais agências do banco na cidade permaneceram fechadas, assim como a localizada em São Joaquim da Barra.

Banco do Brasil

Foi realizada na manhã de hoje uma reunião com os funcionários do Banco do Brasil na sede do Sindicato. Compareceram ao encontro não só funcionários que trabalham em Franca, mas também de cidades da região.

Os diretores do Sindicato Rogério Marques e Flávia Michreki fizeram um relato sobre o andamento da greve, destacando que no BB o movimento tem crescido a cada dia. Sobre os Boletins Pessoais que o banco tem emitido, Rogério destacou que, ao contrário do que diz o banco, a empresa não tem demonstrado disposição para negociar. Tanto é verdade que o último encontro com o banco ocorreu no dia 17 de setembro, data em que o BB apresentou seis tímidas propostas aos funcionários e nada mais, ou seja, pouquíssimo avanço diante da pauta de reivindicações. Nenhuma agência do BB em Franca foi aberta hoje. Na região, a paralisação atinge também as cidades de Guará, Igarapava, Jeriquara, Patrocínio Paulista, Pedregulho e São Joaquim da Barra.

“É claro que o foco principal da greve é a pressão por melhores salários, mas estamos de braços cruzados também para demonstrar toda a nossa insatisfação com as péssimas condições de trabalho a que somos submetidos a cada dia, com a imposição de metas cada vez mais inatingíveis, torpedos de superintendentes a toda hora e cobranças ameaçadoras. Enfim, não temos tranquilidade para trabalhar”, afirmou um funcionário comissionado de banco público através de email enviado ao Sindicato.

Nos bancos privados, a paralisação em Franca concentrou-se hoje nas agências localizadas no centro da cidade.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Franca
 

Notícias Relacionadas

Campanha Nacional: Combate ao Assédio Moral volta a ser negociado com Federação Nacional dos Bancos (Fenaban)

Bancos negam que causa de adoecimento está relacionada à cobrança de metas O Comando Nacional dos Bancários se reuniu com a Federação Nacional dos Bancos nesta segunda-feira (15), para mais uma negociação. O combate ao assédio moral foi novamente tema do debate. Apesar de mais uma vez os bancos negarem que a causa do adoecimento […]

Leia mais

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Sindicatos filiados