Bancários de Marília protestam contra PL que amplia terceirização

30.08.2013

Lideranças bancárias promoveram na manhã desta sexta-feira, dia 30, manifestação na região central de Marília contra o projeto de Lei 4330. A matéria, que tramita pelo Congresso Nacional, amplia a terceirização e prejudica as relações de trabalho, diminuindo direitos dos trabalhadores. “Nosso ato também foi pelo fim do fator previdenciário e pela instituição da jornada […]

Lideranças bancárias promoveram na manhã desta sexta-feira, dia 30, manifestação na região central de Marília contra o projeto de Lei 4330. A matéria, que tramita pelo Congresso Nacional, amplia a terceirização e prejudica as relações de trabalho, diminuindo direitos dos trabalhadores. “Nosso ato também foi pelo fim do fator previdenciário e pela instituição da jornada de 40 horas semanais sem redução salarial”, informou o presidente do Sindicato dos Bancários de Marília e Região, Edilson Julian. Os trabalhadores bancários estão em plena campanha salarial e no próximo dia 5 de setembro haverá nova rodada de negociação.

> Fenaban apresenta proposta global no dia 5 de setembro

Além de Marília, bancários organizaram protesto na subsede de Ourinhos. Em caso de aprovação, o projeto de Lei 4330, que é de autoria do deputado Sandro Mabel, permitirá a perda de direitos adquiridos, reduzirá salários e ainda motivará demissões em massa. “Por isso, o Sindicato dos Bancários de Marília e Região e todo o movimento sindical vêm lutando para a extinção do PL 4330, que terceiriza as relações de trabalho. É inadmissível que, após tantos avanços conquistados pela classe trabalhadora nas áreas sociais e econômicas, um projeto de lei tente tirar direitos fundamentais dos empregados”, analisou o presidente do Sindicato dos Bancários de Marília.

Se a lei for constituída, as empresas poderão contratar outras empresas para realizar atividades-fim. “Ou seja, além das terceirizações de limpeza, vigilância e call-center, as empresas poderão contratar outras empresas para exercerem suas funções principais sem que isso incida em contratos trabalhistas. Bancários serão substituídos por empresas e sofreremos com uma das maiores ondas de demissões já ocorridas”, disse Edilson Julian.

Panfletos distribuídos na manhã desta sexta-feira apresentaram a pauta trabalhista. Junto com a extinção do PL 4330 e o fim do fator previdenciário, os bancários protestaram por um reajuste digno aos aposentados, mais investimentos em saúde, segurança e também na educação e igualdade de oportunidades entre homens e mulheres.
 
Ramon Franco – Seeb Marília 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados