Bancários de Santos inovam em protesto e convocam coral para manifestação

03.10.2013

Manifestação ocorreu na frente de agência bancária em Santos, SP. Greve da categoria alcançou o 14º dia nesta quarta-feira (2). A greve nacional dos bancários alcançou o 14º dia nesta quarta-feira (2). Para marcar a data, o sindicato da categoria realizou uma manifestação diferente em Santos, no litoral de São Paulo. Além de falar sobre as […]

Manifestação ocorreu na frente de agência bancária em Santos, SP. Greve da categoria alcançou o 14º dia nesta quarta-feira (2).

A greve nacional dos bancários alcançou o 14º dia nesta quarta-feira (2). Para marcar a data, o sindicato da categoria realizou uma manifestação diferente em Santos, no litoral de São Paulo. Além de falar sobre as reivindicações da classe, houve uma apresentação de um coral.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região, Ricardo Saraiva, o "Big", explicou que a iniciativa busca fomentar a cultura. "Além do ato político, nós achamos muito importante um sindicato, além de ser combativo, fomentar a cultura. Nós não somos só luta. Queremos cultura, queremos lazer e mudar a forma de pensar do povo brasileiro. Com essa saída das pessoas para a rua, o povo acordou e vai fazer com o que o Brasil não seja mais o país que abaixa a cabeça", diz.

Big também falou sobre a negociação entre a categoria e a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O sindicato pede reajuste salarial de 11,9%, enquanto a organização oferece 6,1%. "Não se negocia porque, infelizmente, banqueiro não chora, nem ri. Ele apenas explora. O banqueiro tira o couro do cliente com taxas altíssimas. Cerca de 12% dos trabalhadores bancários estão licenciados porque estão doentes e eles estão com a burra cheia", reclama.

O presidente fez uma comparação entre outros setores para justificar a pedida de reajuste. "Aqui na região, os funcionários de bares e restaurantes tiveram 10% (de aumento), sem se quer fazer greve. Banqueiro ganha muito mais que os donos de bares e restaurantes", acredita.

Por fim, Saraiva comentou sobre os problemas que a paralisação acarreta para os clientes. Ele pediu a compreensão dos usuários. "Nós temos a consciência e a população também. Por isso, deixamos o auto-atendimento para que as pessoas possam resolver os seus problemas porque a greve não é contra os usuários de banco, mas o banqueiro não conhece outra linguagem a não ser a da pressão, a de mexer no bolso. Nós temos feito de tudo para a população não sofrer tanto. Sabemos que tem alguns problemas, mas quando são casos extremos, a gente dá um jeito de resolver. A gente pede a compreensão quando não dá para se resolver", finaliza.

Fonte: G1 Santos e Região

Notícias Relacionadas

Eleições Economus – Ainda dá tempo de votar!

Passamos da metade do período do pleito, que vai eleger dois membros ao conselho deliberativo e um membro ao conselho fiscal do Economus. Até esta sexta-feira (19), 28% dos eleitores haviam exercido o direito ao voto. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB SP/MS) e seus sindicatos […]

Leia mais

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Sindicatos filiados