Bancários de Santos paralisam agências do BB contra assédio moral

28.11.2012

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e os bancários paralisaram, dia 28/11/2012 (quarta-feira), das 10h às 12h, seis agências do Banco do Brasil na Baixada Santista, contra a prática de assédio moral pela diretoria do banco estatal. Foram paralisadas as agências Santista (D. Pedro I, 49), Ponta da Praia (Saldanha da […]

A diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e os bancários paralisaram, dia 28/11/2012 (quarta-feira), das 10h às 12h, seis agências do Banco do Brasil na Baixada Santista, contra a prática de assédio moral pela diretoria do banco estatal. Foram paralisadas as agências Santista (D. Pedro I, 49), Ponta da Praia (Saldanha da Gama, 186) e Porto (Brás Cubas, 03), em Santos; São Vicente (Frei Gaspar, 338); Cubatão (Av. 09 de Abril, 2.335); e Agência Guarujá (Mario Ribeiro, 1.048), as paralisações fizeram parte de uma mobilização nacional, dia 28/11.

ASSÉDIO

Como forma de pressão e ameaça, a direção do Banco do Brasil tem enviado carta aos funcionários que aderiram a greve cobrando o compromisso individual de compensação das horas não trabalhadas durante o período de mobilização, contrariando a Convenção Coletiva de Trabalho assinada com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). No documento enviado aos trabalhadores, o banco sugere a obrigatoriedade da compensação de horas e o cumprimento integral das horas devidas.


E essa não é a primeira tentativa da direção do BB de constranger os funcionários e fazê-los cumprir, irregularmente, as horas de greve. Num primeiro momento, o Banco do Brasil chegou a criar uma instrução normativa específica (IN 361) para o cumprimento das horas. Depois, fizeram uma primeira convocação. Agora, querem que os funcionários assinem um documento se comprometendo a cumprir todas as horas. “Muitos foram pegos de surpresa e obrigados a assinar”, relata Eneida Koury, secretária geral do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e funcionária do BB.

O Sindicato orienta que os bancários não assinem o documento e denunciem esta prática. “Não vamos tolerar assédio moral em cima dos trabalhadores, nem qualquer tipo de retaliação ou perseguição”, finaliza Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato e funcionário do BB. O departamento jurídico do Sindicato analisa se cabe uma ação contra o Banco do Brasil por assédio moral.

Fonte: Seeb Santos e Região

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados