Bancários do HSBC param contra demissões, em Mogi Guaçu

26.07.2013

Os bancários do HSBC em Mogi Guaçu paralisaram os serviços nesta quinta-feira (25), no período das 7h às 12h, retardando a abertura da agência ao público em 1h, para protestar contra as demissões e exigir melhores condições de trabalho; entre outros pontos, fim do compartilhamento de agências, da rotatividade e metas abusivas. Durante a manifestação, […]

Os bancários do HSBC em Mogi Guaçu paralisaram os serviços nesta quinta-feira (25), no período das 7h às 12h, retardando a abertura da agência ao público em 1h, para protestar contra as demissões e exigir melhores condições de trabalho; entre outros pontos, fim do compartilhamento de agências, da rotatividade e metas abusivas. Durante a manifestação, os diretores do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região discutiram o resultado da rodada de negociação realizada no último dia 2 – os sindicatos voltam a se reunir com o banco inglês no próximo dia 30.

Em 2012, o HSBC fechou 1.002 postos de trabalho no país; somente em Curitiba, onde está localizada a matriz do Banco, foram demitidos 250 funcionários de janeiro à maio deste ano. “Sem falar no processo de terceirização, da precarização do trabalho. Segundo dados do Dieese, os correspondentes bancários cresceram 600% em período recente”, destaca o diretor do Sindicato, Danilo Anderson. Em relação às condições de trabalho, observa o diretor Danilo, o HSBC instaurou a prática do compartilhamento de agências, determinando que um funcionário administrativo seja responsável por duas e até três agências. “Para agravar ainda mais as condições de trabalho, o banco inglês exige metas inatingíveis, que provocam o adoecimento de funcionários”.

Rodada do dia 2

Os sindicatos e o HSBC se reuniram no último dia 2, em São Paulo, para negociar a pauta específica, entregue no dia 19 de junho último. O Banco inglês concordou em formalizar um aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) que contemple conquistas já em vigor; entre elas, Comissão Paritária de Saúde, treinamentos durante a jornada de trabalho, adiantamento de férias entre duas e cinco parcelas, bolsa auxílio-educação, folga nas datas de aniversário e tempo de casa, e plano de saúde e odontológico, com mínimo de duas operadoras. No próximo dia 30, nova rodada de negociação.

Emprego

O HSBC não assegurou proteção nem garantias ao emprego, alegando que é uma medida que não tem neste momento condição alguma de atender. Entretanto, a instituição acenou com a possibilidade de iniciar alguma tratativa nos moldes do comitê de clientes para debater questões relativas às condições de trabalho e atendimento.

PPR
Em relação ao Programa de Participação nos Resultados (PPR), o HSBC solicitou que o assunto não fosse abordado na reunião, pois ainda não concluiu a análise do tema com o responsável pelo programa. O Banco se comprometeu a agendar durante o mês de julho uma reunião específica para tratar da questão.

Fonte: Jairo Gimenez – Seeb Campinas

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados