Banco do Brasil: Sindicatos protestam contra decisão do BB de retorno do trabalho presencial de grupo de risco

25.11.2021

Decisão foi tomada sem negociação com o movimento sindical A direção do Banco do Brasil iniciou a convocação de funcionários do grupo de risco para o retorno ao trabalho presencial. A expectativa é de que 100% dos trabalhadores retornem até o final de dezembro, com exceção das gestantes. A decisão gerou protestos da coordenação do […]

Decisão foi tomada sem negociação com o movimento sindical

A direção do Banco do Brasil iniciou a convocação de funcionários do grupo de risco para o retorno ao trabalho presencial. A expectativa é de que 100% dos trabalhadores retornem até o final de dezembro, com exceção das gestantes.

A decisão gerou protestos da coordenação do Comando Nacional dos Bancários e da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), durante videoconferência realizada com o vice-presidente corporativo e o diretor de pessoas do BB.

Para a representação dos trabalhadores, o momento ainda é de incerteza, a medida deve ser tomada com cautela e a dose de reforço da vacina é fundamental, tendo em vista uma possível nova onda da doença.

Para a representante da Federação dos Bancários de SP e MS na CEBB, Elisa Ferreira, as entidades sindicais são contra a intempestiva medida, adotada sem discussão alguma e em plena pandemia do novo coronavírus e sob a ameaça de nova onda de infecção. “As agências e demais dependências precisam urgentemente de mais funcionários. Os que trabalharam durante toda a pandemia estão exaustos e as metas continuam a todo vapor. Ao invés do Banco contratar mais funcionários, chamando os já aprovados no concurso, por exemplo, tenta tapar esse buraco com a convocação desordenada de funcionários do grupo de risco”, defende.

Exigência da vacina

O movimento sindical tem defendido há meses a exigência das vacinas e só agora o banco comunicou a necessidade do ciclo vacinal completo. De acordo com o banco, o retorno será gradativo nos meses de novembro e dezembro. Estão previstos entre os percentuais de retorno o mínimo de 50% em novembro, 75% na primeira quinzena de dezembro e 100% até o final de dezembro.

O Movimento Sindical procurou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para respaldar os funcionários. Conforme posicionamento da entidade, as pessoas de grupo de risco poderiam voltar ao trabalho presencial, no atual cenário, mediante a orientação de um médico assistente. Em reunião com o banco, os representantes dos bancários cobraram um posicionamento da direção do banco com relação a essa orientação.

Descomissionamento

O Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial (Pandemia Covid-19), aprovado em março de 2020 pelos funcionários em assembleia e negociado entre o movimento sindical e a direção do BB, prevê que não haverá descomissionamentos por desempenho enquanto durar a pandemia, além da anistia de 10% do saldo total de horas negativas a compensar e prazo de compensação de horas negativas de 18 meses.

O movimento sindical está atento para que o banco não faça descomissionamento por desempenho, descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho Emergencial.

Os representantes dos trabalhadores orientam aos funcionários e funcionárias que sentirem seus direitos ameaçados a procurarem seus sindicatos.

 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados