Banco do Brasil tem maior lucro da história dos bancos no semestre

13.08.2013

Maior banco brasileiro e indutor da política de redução de juros do governo Dilma, o Banco do Brasil teve lucro líquido de R$ 7,472 bilhões no segundo trimestre, mais que o dobro do registrado em igual período do ano passado e quase três vezes o valor obtido entre janeiro e março deste ano. A cifra […]

Maior banco brasileiro e indutor da política de redução de juros do governo Dilma, o Banco do Brasil teve lucro líquido de R$ 7,472 bilhões no segundo trimestre, mais que o dobro do registrado em igual período do ano passado e quase três vezes o valor obtido entre janeiro e março deste ano. A cifra é a maior já registrada pelo banco no período.

No acumulado do primeiro semestre, o lucro do BB também foi recorde, somando R$ 10 bilhões. O banco havia reportado ganho de R$ 5,5 bilhões na primeira metade do ano passado.

De acordo com a consultoria Economatica, o lucro do BB é o maior para um primeiro semestre da história dos bancos brasileiros, deixando para trás o ganho de R$ 7,2 bilhões registrado pelo Itaú entre janeiro e junho de 2013.

Excluindo efeitos não recorrentes, que incluíram a oferta de ações da BB Seguridade, o lucro líquido ajustado do Banco do Brasil foi de R$ 2,634 bilhões no segundo trimestre deste ano, 11,8% menor que o ganho do mesmo período de 2012.

O forte crescimento do lucro do BB ficou em linha com a expansão anual de 25,7% nos financiamentos, totalizando R$ 638,7 bilhões ao final de junho deste ano –o correspondente a 20,8% do mercado de crédito nacional–, à frente de Bradesco (R$ 402,5 bilhões), Santander (R$ 218,1 bilhões) e Itaú (R$ 467,5 bilhões).

Descontados avais e fianças, a carteira do BB somou R$ 595,8 bilhões.

A inadimplência acima de 90 dias do banco encerrou junho em 1,65% –menor patamar registrado nos últimos 11 anos.

Sem contar o Banco Votorantim, especializado no financiamento de carros usados, a inadimplência foi ainda menor, de 1,65%.

Apesar da baixa inadimplência, o BB aumentou as despesas com provisões para calote em 14,8% na comparação anual, para R$ 4,22 bilhões, mesmo tendo mantido a estratégia de elevar o crédito de menor risco, como consignado e financiamento imobiliário.

PROJEÇÕES

Ao contrário do Bradesco e do Itaú, que revisaram para baixo suas projeções de crescimento da carteira de crédito em 2013, o Banco do Brasil elevou sua expectativa para um aumento entre 17% e 21%. Antes, a faixa projetada era de 16% a 20%.

O maior otimismo do banco é com o crédito para as empresas, que deve ter crescimento entre 18% e 22% em 2013, segundo as novas projeções do BB –a estimativa anterior era entre 16% e 20%.

O BB também elevou a perspectiva de crescimento do crédito ao agronegócio, que passou de uma alta entre 13% e 17% para avanço entre 22% e 26% no ano.

Por outro lado, o banco diminuiu sua projeção para o crédito às pessoas físicas em 2013, passando de um crescimento entre 18% e 22% para faixa entre 16% e 20%.

Fonte: Folha de S.Paulo

LEIA TAMBÉM:

BB Seguridade lucra R$ 550 milhões no 2º trimestre, com alta de 31,4%

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados