Banco do Brasil vai abrir uma hora mais cedo em São Paulo

07.10.2020

TONI SCIARRETTA DE SÃO PAULO  – Folha O Banco do Brasil decidiu abrir as agências uma hora mais cedo no início de agosto em São Paulo, Estado em que finaliza o processo de incorporação da Nossa Caixa e que viu aumentar o número de queixas dos clientes. O novo horário valerá para as duas primeiras […]

TONI SCIARRETTA
DE SÃO PAULO
  – Folha
O Banco do Brasil decidiu abrir as agências uma hora mais cedo no início de agosto em São Paulo, Estado em que finaliza o processo de incorporação da Nossa Caixa e que viu aumentar o número de queixas dos clientes.
O novo horário valerá para as duas primeiras semanas do mês, entre os dias 2 e 13. O período coincide com a data de pagamento dos servidores do Estado e com os principais compromissos dos clientes. As agências abrirão das 9h às 16h30.
No início deste mês, clientes reclamaram de problemas de atendimento decorrentes direta e indiretamente da conversão das agências. Entre as queixas, estavam desde a perda de limites no cheque especial e problemas no atendimento até atrasos nas transações envolvendo depósitos judiciais.
Editoria de Arte/Folhapress

Segundo Dan Conrado, que comanda as operações do Banco do Brasil em São Paulo, o período crítico da conversão das agências já passou, e os clientes deverão sentir melhora no atendimento nas próximas semanas. O banco tem 5 milhões de clientes no Estado.

"Sabemos que é passageiro. Depois o cliente vai perceber que saiu ganhando, que melhoraram a rede de agências e a segurança das operações. Isso aconteceu quando fizemos as primeiras conversões, em março e em abril."
SEGURANÇA
Conrado afirma que o BB investiu na segurança das operações das contas do Judiciário, o que elevou o número de procedimentos e checagens e acabou atrasando a compensação de alguns pagamentos. O Judiciário é um dos principais focos de reclamação contra o BB neste mês no Estado.
O BB trabalha com técnicos da Justiça paulista para colocar na internet a emissão de guias de pagamento e de outras operações envolvendo depósitos judiciais.  Segundo o diretor do BB, as reclamações decorrentes da perda de limites no cheque especial dizem respeito apenas a servidores e a clientes que tinham nome sujo em serviços de proteção ao crédito. Conrado afirma que o BB segue regras mais apertadas de análise de crédito do que a antiga Nossa Caixa.

 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quinta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados