Bancos não atendem reivindicações de segurança

09.11.2020

“As negociações não avançaram na área de segurança”, afirma Aparecido Roveroni. Segundo o dirigente da Federação, os bancos recusaram propostas como melhorar a assistência às vítimas de assaltos e sequestros. O mesmo ocorreu em relação a outras propostas como a instalação de portas de segurança com detectores de metais, câmeras em todas as áreas internas e […]

“As negociações não avançaram na área de segurança”, afirma Aparecido Roveroni. Segundo o dirigente da Federação, os bancos recusaram propostas como melhorar a assistência às vítimas de assaltos e sequestros. O mesmo ocorreu em relação a outras propostas como a instalação de portas de segurança com detectores de metais, câmeras em todas as áreas internas e externas das agências com monitoramento em tempo real, vidros blindados nas fachadas; divisórias individualizadas entre os caixas eletrônicos, biombos entre a fila de espera e a bateria de caixas e isenção das tarifas de transferências de recursos (TED e DOC).
Aparecido Roveroni considerou decepcionante mais essa rodada de negociações. No que diz respeito aos crimes de saída de banco, por exemplo, não foram aceitas as medidas apresentadas pelo Comando Nacional, como a instalação de biombos entre a fila e os caixas. Os bancários também se recusam a assumir o papel de fiscalizadores da legislação que proíbe o uso de celulares nas agências porque ela não é de sua responsabilidade. Receiam ainda que ela possa desviar a atenção dos vigilantes.

Confira quais foram os itens discutidos na terça-feira:

 

Prevenção contra assaltos e sequestros

Instalação de equipamentos de segurança:

– portas individualizadas de segurança com vidros à prova de balas, antes do autoatendimento, em todos os acessos aos estabelecimentos;

– câmeras de filmagem nas áreas internas e externas de circulação de clientes e usuários, com monitoramento em tempo real fora das agências e postos para garantir a privacidade nas transações bancárias;

– Divisórias individuais na bateria de caixas e entre os caixas eletrônicos, biombos entre a fila de espera e a bateria de caixas;

– Vidros em frente aos guichês de caixa para reforçar a segurança;

– vidros blindados nas fachadas dos bancos para evitar assaltos;

– malhas finas de aço nas janelas que dão acesso às ruas;
Outras medidas relacionadas a esse item:

 

– Vedar a triagem de clientes antes do acesso à parte interna das agências e postos para fins de depósitos e saques em dinheiro, como forma de combater o crime da "saidinha de banco";

– Instalação de caixas eletrônicos somente em locais seguros.

A essas reivindicações, a Fenaban propõe encaminhar a discussão para a mesa temática de segurança, após a campanha salarial. A entidade vai encaminhar uma proposta de ampliação do número de câmeras aos bancos.

Assistência às vítimas de assaltos, seqüestros e extorsões

O que o Comando Nacional propôs:

– Atendimento médico e psicológico individual e presencial aos empregados, bem como às suas famílias em casos de ameaça ou consumação de sequestros ou outros delitos;

– Que os bancos assumam o pagamento dos custos de remédios e despesas de tratamento dos empregados;

– Emissão de CAT a todos os empregados que estiveram no local de assalto consumado ou não, sendo que o banco deverá comunicar o fato imediatamente à CIPA e sindicato local;

– Dispensa dos empregados que estiverem no local durante a ocorrência, com retorno ao local de trabalho somente após as condições de segurança estarem restabelecidas;

– Fechamento da agência até que seja feita perícia técnica com participação do sindicato;

A posição dos bancos é da manutenção apenas da cláusula atual, conquistada pelos bancários na campanha nacional do ano passado, que garante assistência médica ou psicológica, emissão obrigatória de boletim de ocorrência, possibilidade de realocação das vítimas de sequestro e acesso às estatísticas semestrais de ataques a bancos da Febraban.

Proibição da guarda de chaves e acionadores de alarmes

Os bancos negaram a reivindicação de desvincular os empregados da guarda das chaves das agências e postos de atendimento bancário e de acesso a seus cofres, bem como da guarda de acionadores de alarme. A proposta era de que essa tarefa seria das empresas especializadas em segurança.

Proibição de transporte de numerário por bancários

Nossa proposta é a de que o transporte de valores fosse feito somente por vigilantes em carro-forte, conforme estabelece a lei federal 7102/83. O assunto é objeto de procedimento que se encontra pendente na Procuradoria Geral do Ministério Público do Trabalho. A Fenaban ficou de consultar os bancos.

Outros itens

Os bancos se negaram a discutir as reivindicações de estabilidade no emprego de 36 meses e indenização aos empregados vítimas de assalto ou sequestro.

A próxima rodada de negociação sobre remuneração será na segunda-feira (12).

Notícias Relacionadas

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Caixa afirma que contencioso é insignificante, mas dados disponíveis demonstram o oposto

Fonte: APCEF/SP com informações da Fenae Em uma live realizada nesta terça-feira (18), a Funcef (Fundação dos Economiários Federais) e a Caixa anunciaram que estão abordando o contencioso trabalhista. Segundo Leonardo Groba, diretor jurídico da Caixa, o contencioso atual estaria estimado em cerca de R$ 500 milhões, “não tem grandes proporções, mas a Caixa possui […]

Leia mais

Sindicatos filiados