Bancos negam dever à Previdência e explicam questionamentos na Justiça

21.06.2017

CPI ouve representantes de bancos sobre dívida com a Previdência Representantes dos cinco maiores bancos do país afirmaram nesta segunda-feira (19) à CPI da Previdência que estão em dia com os pagamentos à Previdência Social, porém têm pagamentos pendentes que estão sendo questionados na Justiça. De acordo com a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, o […]

CPI ouve representantes de bancos sobre dívida com a Previdência

Representantes dos cinco maiores bancos do país afirmaram nesta segunda-feira (19) à CPI da Previdência que estão em dia com os pagamentos à Previdência Social, porém têm pagamentos pendentes que estão sendo questionados na Justiça. De acordo com a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, o Itaú, o Bradesco e o Santander estariam na lista dos maiores devedores de impostos previdenciários.

Antes de passar a palavra aos cinco convidados, o presidente da CPI da Previdência, senador Paulo Paim (PT-RS), disse que a comissão já realizou 15 reuniões e que todos os setores da sociedade estão sendo ouvidos.

– Aqui ninguém quer holofote. Queremos esclarecer os fatos e saber a verdade do que está acontecendo com a Previdência Social – afirmou Paim.

O relator do colegiado, senador Hélio José (PMDB-DF), disse que seu relatório sobre os trabalhos da CPI terá compromisso com a verdade. Ele criticou o fato de alguns setores da sociedade desejarem a privatização da Previdência Social e acrescentou que, de acordo com a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, os cinco bancos participantes da audiência pública têm, somados, dívida de mais de R$ 3 bilhões com a Previdência.
Todos os cinco convidados afirmaram que as dívidas divulgadas pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional são, em sua grande maioria, questionamentos que os bancos fazem sobre a incidência ou não de impostos previdenciários em parcelas do salário do trabalhador que os bancos consideram como verbas indenizatórias, mas a Receita Federal argumenta que são verbas remuneratórias e, por isso, devem ser tributadas.

Os participantes citaram como exemplo auxílio-creche, auxílio-babá, vale-transporte, indenização de transporte, terço constitucional de férias, venda de licença-prêmio ou de fração de férias, participação nos lucros, vale-alimentação, aviso prévio indenizado e outras parcelas. Os representantes dos bancos garantiram que nenhuma dessas dívidas se referem a contribuições previdenciárias dos funcionários, mas apenas contribuições patronais.

Entretanto, ao questionar algum pagamento na justiça, explicaram, o banco tem de fazer depósito judicial no valor questionado e esse depósito fica à disposição do Tesouro Nacional até o fim do processo. Se a empresa ganha, recebe o depósito corrigido pela Selic, se a vencedora é a União, o depósito não é devolvido.

O diretor de Auditoria Fiscal do Banco Bradesco, Marcelo Santos Dall’Occo, informou que a entidade tem 105 mil funcionários e recolheu aos cofres públicos R$ 2,3 bilhões de contribuições previdenciárias em 2016. Ele afirmou que a administração do Bradesco têm obrigação perante seus acionistas de contestar judicialmente valores que o banco entende como irregulares.

O superintendente nacional de Contabilidade e Tributos da Caixa Econômica Federal, Marcos Brasiliano Rosa, afirmou que o banco “cumpre regularmente com suas obrigações tributárias”. Ele reforçou o argumento de que as dívidas contestadas judicialmente são divergências entre a Caixa e a Receita sobre em quais parcelas salariais deve incidir os impostos previdenciários.

Por sua vez, o superintendente Jurídico Tributário do Itaú Unibanco, Sérgio Gordon, também afirmou que o impasse entre quais partes do salário dos funcionários seriam remuneratórias e quais seriam indenizatórias explica a grande maioria dos débitos do banco questionados na Justiça.
Já o superintendente executivo do Jurídico do Banco Santander, Alessandro Tomao, informou que o banco está no Brasil desde 1957 e que parte das dívidas previdenciárias são referentes a outras instituições bancárias que foram adquiridas pelo Santander ao longo dos anos. Ele disse que o banco pagou R$ 1,2 bilhão à Previdência Social no ano passado e que atualmente tem 45 mil funcionários.

O gerente de Contadoria do Banco do Brasil, Raimundo Júnior Mangabeira Gonçalves, garantiu que a entidade “paga seus impostos pontualmente e mantém sua regularidade fiscal em dia”.

Fonte: Agência Senado – Por Augusto Castro | 19/06/2017, 18h13 – ATUALIZADO EM 19/06/2017, 20h25
Foto: Waldemir Barreto – Agência Senado

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados