Bancos terão que explicar serviço cobrado de clientes

14.12.2012

Governo vê indícios de falta de informação e dá prazo de 10 dias para receber justificativa Os seis maiores bancos do país terão que prestar contas ao governo sobre os serviços cobrados nos pacotes oferecidos aos clientes. Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, HSBC, Itaú e Santander foram notificados, ontem, pelo DPDC (Departamento de Proteção e […]


Governo vê indícios de falta de informação e dá prazo de 10 dias para receber justificativa

Os seis maiores bancos do país terão que prestar contas ao governo sobre os serviços cobrados nos pacotes oferecidos aos clientes.

Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, HSBC, Itaú e Santander foram notificados, ontem, pelo DPDC (Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor), órgão vinculado ao Ministério da Justiça.

Segundo Amaury Oliva, diretor do DPDC, os bancos terão prazo de dez dias para apresentar as respostas e a documentação solicitadas. Conforme revelou a Folha, a falta de transparência nos serviços incluídos nos pacotes já havia chamado a atenção do Banco Central.

De acordo com o diretor, a preocupação é saber ser o cliente está sendo devidamente informado sobre o que está pagando e também quais os serviços que ele não precisa ser cobrado.

Técnicos do governo têm indícios de falta de informações, o que dificulta a liberdade de escolha dos clientes, e temem que serviços que deviam ser grátis estejam sendo tarifados indiretamente.

Segundo Oliva, numa análise prévia nos sites dos bancos, foram identificados vários problemas.

"Um deles tem pacotes especial, completo e pleno. Isso não significa nada para o consumidor. Nos três casos, o consumidor acha que está comprando um serviço completo. Não há diferenciação."

HSBC, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander disseram que vão prestar os esclarecimentos solicitados.

O Banco do Brasil disse que "cumpre integralmente as normas do Banco Central relacionadas à oferta de produtos e serviços". A Caixa afirmou que "tem como política esclarecer aos clientes, com transparência, as condições de seus produtos e serviços".

Fonte: Folha de S.Paulo

Notícias Relacionadas

Proposta sobre Teletrabalho vai avançar

Reivindicações da categoria avançam nas negociações sobre trabalho remoto, mas Comando dos Bancários cobra agilidade na resposta sobre a proposta global A proposta da categoria bancária para o trabalho remoto avançou nas negociações realizadas na tarde desta quinta-feira (11) com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Tivemos evolução no Teletrabalho que se torna cláusula da […]

Leia mais

Caixa se nega a criar GT para discutir contencioso da Funcef

Banco avalia que o tema já é tratado pela própria fundação de previdência dos trabalhadores Em reunião de negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2022, realizada nesta quarta-feira (10), com a Comissão Executiva dos Empregados (CEE), a Caixa Econômica Federação se negou a atender a reivindicação para que seja criado um grupo de trabalho (GT) […]

Leia mais

Atos pela democracia ocorrem em todo o País e reafirmam o compromisso contra o autoritarismo

Data de 11 de agosto marca a leitura de um manifesto contra ditadura militar em 1977 Brasileiros de inúmeras regiões do País realizaram nesta quinta-feira (11), atos em defesa do estado democrático de direito. Milhares de entidades representativas foram às ruas manifestar a defesa pela garantia da democracia e do sistema eleitoral eletrônico. A data […]

Leia mais

Sindicatos filiados