BB lidera reclamações do Banco Central em setembro

15.10.2013

BRASÍLIA – Depois de sete meses na liderança do ranking de reclamações do Banco Central (BC) entre as instituições com mais de 1 milhão de clientes, o Banco Santander cedeu espaço para o Banco do Brasil. Em setembro, a instituição oficial registrou um índice de 1,65, número que considera as reclamações procedentes divididas pela quantidade […]

BRASÍLIA – Depois de sete meses na liderança do ranking de reclamações do Banco Central (BC) entre as instituições com mais de 1 milhão de clientes, o Banco Santander cedeu espaço para o Banco do Brasil. Em setembro, a instituição oficial registrou um índice de 1,65, número que considera as reclamações procedentes divididas pela quantidade de clientes multiplicada por 100 mil. Já o banco espanhol teve índice 1,64 em igual período.

Para fazer o levantamento, o BC considerou que 2.283 reclamações feitas contra as instituições de grande porte no mês passado foram procedentes. Desse total, 585 reclamações foram contra o Banco do Brasil e 382 sobre o Santander. Também estão na lista dos cinco mais reclamados o conglomerado HSBC (índice 1,29), conglomerado Itaú (1,22) e Banrisul (0,77).

Ao liderar o ranking, o BB demonstrou piora do indicador, já que, em agosto, estava com uma pontuação de 1,18. Já o Santander contava com índice de 1,81 naquele mês.

As reclamações mais comuns contra as instituições que chegaram ao BC em setembro foram as mesmas vistas no mês anterior: débitos não autorizados (343), prestação do serviço conta salário de forma irregular (252), esclarecimentos incompletos ou incorretos a respeito da circular 3.289, que trata justamente do Sistema de Registro de Denúncias, Reclamações e Pedidos de Informações (214), e cobrança irregular de tarifas por serviços não contratados (191).

Os números se referem apenas ao descumprimento de normas do Conselho Monetário Nacional (CMN) ou do BC. No ranking de instituições com menos de 1 milhão de clientes, as primeiras posições ficaram com Société Genérale, Bonsucesso, BMG, J. Malucelli e Banco Daycoval. Entre as administradoras de consórcio lideraram o ranking as instituições Realiza, Panamericano, Convef, Remaza e HSBC Brasil. 

Fonte: O Estado de S.Paulo

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados