BB Seguridade lucra R$ 550 milhões no 2º trimestre, com alta de 31,4%

12.08.2013

SÃO PAULO – A BB Seguridade registrou lucro líquido contábil de R$ 550,3 milhões no segundo trimestre, o que representa um avanço de 84,9% na comparação com igual período do ano passado. Em termos ajustados, que exclui itens extraordinários do segundo trimestre de 2012, o avanço é de 31,4%. Este período de 2013 não apresentou […]

SÃO PAULO – A BB Seguridade registrou lucro líquido contábil de R$ 550,3 milhões no segundo trimestre, o que representa um avanço de 84,9% na comparação com igual período do ano passado. Em termos ajustados, que exclui itens extraordinários do segundo trimestre de 2012, o avanço é de 31,4%. Este período de 2013 não apresentou nenhum efeito extraordinário, segundo balanço divulgado nesta segunda-feira. O desempenho no período corresponde a um retorno sobre o patrimônio líquido médio (RSPL) de 39,1%.

“O resultado do trimestre foi impulsionado pela expansão dos negócios, que elevou os resultados das coligadas de seguros, previdência e capitalização, além de proporcionar expansão das receitas com corretagem”, diz o aviso de acionistas sobre a divulgação do resultado do período.

Primeiro semestre

A BB Seguridade apresentou lucro líquido contábil de R$ 1,022 bilhão no primeiro semestre do ano. Excluindo efeitos extraordinários do período, o lucro ajustado da companhia no semestre alcançou R$ 1,005 bilhão.

O resultado permite a destinação de R$ 817,8 milhões para distribuição aos acionistas na forma de dividendos, o que equivale a 80% do lucro líquido (“payout”). Considerando a distribuição de dividendos, o retorno sobre o patrimônio líquido médio (RSPL) ajustado foi de 38,1% no primeiro semestre do ano.

Corretagem em alta

O resultado do segundo trimestre foi impulsionado pelo forte ganho da operação de corretagem, que responde por 42% do lucro líquido da companhia. Só a corretora reportou lucro de R$ 231,6 milhões no trimestre, um crescimento de 41,8% em 12 meses.

As outras operações da companhia também apresentaram ganhos robustos. O lucro da unidade de seguros de vida e rural (chamada de BB Mapfre SH1) atingiu R$ 197,2 milhões, avanço de 26,3% na comparação anual. O ganho da operação de previdência aberta cresceu 24,7%, para R$ 144,6 milhões. O lucro de seguros de danos e patrimônio (Mapfre BB SH2) foi de 79,6 milhões, um aumento de 53,8%.

O único negócio que apresentou um ganho mais fraco foi o de títulos de capitalização, impactado pelo mau desempenho do resultado financeiro. A operação apresentou lucro líquido de R$ 28,3 milhões, um recuo de 21,9% na comparação com o resultado ajustado. O resultado financeiro foi negativo em R$ 3,7 milhões, ante ganho de R$ 40,7 milhões no segundo trimestre de 2012.

“O crescimento dos resultados decorre da expansão dos negócios, que elevou os resultados das coligadas de seguros, previdência e capitalização, além de proporcionar crescimento das receitas com corretagem. O desempenho do período ocorreu mesmo em um cenário adverso para o resultado financeiro das coligadas, impactado principalmente pela elevação das taxas de juros no mercado futuro”, diz a companhia em relatório de análise de desempenho.

A reversão do resultado atribuível à BB Seguridade proveniente do segmento de seguros patrimoniais, que atingiu R$ 39,8 milhões no trimestre, também contribuiu para o avanço do lucro no período. No segundo trimestre de 2012, o resultado atribuível à companhia foi negativo em R$ 1,3 milhão, em razão de eventos extraordinários. Outro fator positivo no resultado foi o crescimento de 65,4% da receita de juros de instrumentos financeiros, que totalizou R$ 29,2 milhões, explicado pelo crescimento das receitas com aplicações em operações compromissadas, resultante do crescimento no volume destas aplicações.

O faturamento total das companhias coligadas à BB Seguridade atingiu R$ 11,5 bilhões no segundo trimestre, um crescimento de 36,7% em 12 meses e de 12,8% sobre o primeiro trimestre.

Guidance para 2013

A companhia apresentou, pela primeira vez, projeções (“guidance”) para o seu desempenho em 2013. A estimativa para o retorno sobre o patrimônio líquido médio (RSPL) ajustado ficou entre 37% e 41%. A projeção para o crescimento dos prêmios da operação de vida e rural é entre 37% e 49% e da unidade de seguros patrimoniais é de 15% a 20%. A estimativa de avanço da arrecadação de previdência aberta é entre 30% e 40% e de títulos de capitalização, entre 50% e 65%.

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas

Comando Nacional dos Bancários entregará minuta de reivindicações à Fenaban no dia 18

No mesmo dia, trabalhadores do BB e da Caixa farão a entrega das minutas específicas de cada banco O Comando Nacional dos Bancários entregará à Federação Nacional do Bancos (Fenaban), na próxima terça-feira (18), a minuta de reivindicações que servirá de base à Campanha Nacional de 2024, para a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho […]

Leia mais

Bancários aprovam minuta de reivindicações da Campanha Nacional 2024

Documento, que servirá de base à renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da categoria, será entregue à Fenaban no próximo dia 18 Bancárias e bancários, de todo o Brasil, aprovaram, em assembleias realizadas nesta quinta-feira (13), a minuta de reivindicações que servirá de base à Campanha Nacional de 2024, para a renovação da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Contraf-CUT pede informações à Caixa sobre PDV

Objetivo é garantir a transparência do processo e amenizar ansiedade dos trabalhadores A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) enviou, nesta terça-feira (11), um ofício à Caixa Econômica Federal solicitando informações sobre o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) do banco. No ofício, a Contraf-CUT observa que “o prazo de adesão” ao PDV “se […]

Leia mais

Sindicatos filiados