BicBanco lucra R$ 500 mil no 1º tri

16.05.2014

Por Fabiana Lopes | Valor Econômico  De São Paulo À espera da aprovação dos reguladores para a troca de controlador, o Bicbanco lucro líquido contábil do BicBanco somou R$ 500 mil no primeiro trimestre, uma queda de 83,1% na comparação anual. "Essa atuação do banco deve ser interpretada sobre o enfoque do seu momento de […]

Por Fabiana Lopes | Valor Econômico 
De São Paulo

À espera da aprovação dos reguladores para a troca de controlador, o Bicbanco lucro líquido contábil do BicBanco somou R$ 500 mil no primeiro trimestre, uma queda de 83,1% na comparação anual.

"Essa atuação do banco deve ser interpretada sobre o enfoque do seu momento de transição", disse o vice-presidente de relações com investidores do banco, Milto Bardini, durante teleconferência com analistas na manhã de ontem. O executivo referiu-se ao período em que o banco aguarda a finalização do processo de homologação da venda de seu controle para o China Construction Bank (CCB). A expectativa é que isso seja finalizado no próximo trimestre.

Em seu relatório de resultados, o BicBanco destacou que, por conta deste momento de mudança societária, a administração tem privilegiado a liquidez, a estabilidade dos volumes operacionais e a qualidade dos ativos, em detrimento da expansão de carteiras e da maior exposição a riscos.

Nesse contexto, a carteira de crédito expandida, que inclui avais e fianças, encolheu 10,3% em 12 meses e mostrou estabilidade em relação ao fim do ano passado, a R$ 12,792 bilhões.

O índice de inadimplência acima de 90 dias subiu para 3,4%, ante 2,6% no primeiro trimestre do ano passado. Com isso, as despesas com provisão para devedores duvidosos alcançaram R$ 63,1 milhões, com alta de 8,2%. A margem financeira líquida antes de provisões foi de R$ 190,7 milhões, o que representou queda de 14,1% sobre o início do ano passado.

A estratégia de privilegiar a liquidez fez com que o banco encerrasse março com R$ 2,26 bilhões em ativos de alta liquidez, com aumento de 2,1% sobre dezembro e de 33% ante o mesmo período do ano passado.

Segundo Bardini, o banco deve manter os atuais volumes da carteira de crédito e ter um caixa disponível respeitando a faixa entre R$ 1,5 bilhão e R$ 2,5 bilhões.

Além disso, a expectativa é que a mudança do controle para o CCB seja finalizado no segundo trimestre. Bardini explicou que neste primeiro trimestre muitas etapas do processo foram cumpridas, o que leva a crer que a finalização pode estar próxima.

Em janeiro, o CCB entregou um plano de negócios ao Banco Central. No mesmo mês, o Conselho Administrativo de Defesa Econômico deu sinal verde para que a transação fosse efetivada. Em fevereiro, as autoridades bancárias das Ilhas Cayman também aprovaram a operação. O banco concluiu ainda o processo de reorganização societária e começou a solicitar o consentimento de credores cujos contratos possuem cláusulas relativas a troca de controle.
 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados