Caixa Federal não concorda com isonomia de direitos

01.09.2014

A Caixa Federal não aceita discutir isonomia de direitos; ou seja, estender a licença-prêmio e o ATS (Adicional por Tempo de Serviço) para quem ingressou depois de 1998. Essa intransigente posição foi manifestada durante a segunda rodada de negociação da pauta específica com o Comando Nacional dos Bancários, realizada no último dia 29 de agosto […]

A Caixa Federal não aceita discutir isonomia de direitos; ou seja, estender a licença-prêmio e o ATS (Adicional por Tempo de Serviço) para quem ingressou depois de 1998. Essa intransigente posição foi manifestada durante a segunda rodada de negociação da pauta específica com o Comando Nacional dos Bancários, realizada no último dia 29 de agosto em Brasília.

Segundo o representante da Federação dos Bancários de SP e MS na mesa de negociação, Carlos Augusto Silva (Pipoca), a Caixa Federal alega que nenhuma empresa pública está autorizada a discutir a citada licença e anuênio em negociações. “Argumento frágil. A questão está colocada e queremos resolver pela via da negociação”.

Além da isonomia, foram discutidos outros temas:

REG/Replan – O Comando cobrou o direito ao PCS (Plano de Cargos e Salários) e ao PFG (Plano de Funções Gratificadas) mesmo para quem não quitou o REG/Replan. A Caixa Federal informou que não mudará de posição e que só migra aos planos quem fizer o saldamento.


Carreira – No debate sobre a revisão da ESU (Estrutura Salarial Unificada) e do PCS da carreira administrativa, os representantes dos empregados argumentaram que esses modelos estão defasados, sem mudança significativa desde a sua implantação em 2008. A Caixa Federal vai analisar a proposta apresentada pelo Comando.

Funcef – A Caixa Federal não reconhece o CTVA (Complemento Temporário Variável de Ajustes de Mercados) como verba salarial para fins de aporte ao fundo de pensão.

O Comando solicitou informações sobre o processo de incorporação do plano REB pelo Novo Plano Funcef. A Caixa Federal destacou que o assunto foi remetido para apreciação da Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar).


Vale-cultura – A Caixa Federal vai analisar a extensão do benefício a todos os empregados.

Aposentados – A instituição pública não aceitou manter o Saúde Caixa para os trabalhadores que se aposentaram por meio do Programa de Apoio à Demissão Voluntária (PADV), e de pagar o vale- alimentação e a PLR aos aposentados.


Negociações – Os temas segurança e terceirização, que também seriam discutidos nesse encontro, foram adiados para as negociações que ocorrem nos dias 8 e 12 de setembro.

*Com informações do SEEB SP
 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados