Câmara de Franca derruba veto e bancos terão de aumentar segurança

25.11.2015

A Câmara Municipal aplicou nova derrota ao prefeito, ontem, e derrubou o veto proposto ao projeto que obriga a instalação de portas metálicas e um lançador de fumaça nas agências bancárias de Franca. A finalidade é coibir as ocorrências de explosão em caixas eletrônicos. Alexandre Ferreira (PSDB) havia atendido pedido dos banqueiros e vetado a […]

A Câmara Municipal aplicou nova derrota ao prefeito, ontem, e derrubou o veto proposto ao projeto que obriga a instalação de portas metálicas e um lançador de fumaça nas agências bancárias de Franca. A finalidade é coibir as ocorrências de explosão em caixas eletrônicos. Alexandre Ferreira (PSDB) havia atendido pedido dos banqueiros e vetado a proposta sob a argumentação de que as medidas de proteção eram contrárias ao interesse público. Oficiais da Polícia Militar foram ao plenário, ontem, manifestar apoio ao projeto.

Sabedores de que um banco foi o maior doador da campanha eleitoral do prefeito e que o veto estava mal explicado, os vereadores não quiseram se comprometer com os eleitores. Ninguém topou fazer a defesa. Ataques não faltaram. “Faz me rir a argumentação usada pelo prefeito. Nós, que trabalhamos com segurança pública, sabemos da importância. O projeto tem o apoio das polícias Civil e Militar, pois vai dificultar a vida dos bandidos”, afirmou o vereador Daniel Radaeli (PMDB), que é delegado de polícia há 25 anos.

O presidente Marco Garcia (PPS) também fez críticas. “Acredito que o jurídico da Prefeitura se equivocou. Não é possível dizer que a proposta é contrária ao interesse público. As medidas de segurança vão trazer uma proteção muito grande ao cidadão.”

Autor do projeto, Pastor Otávio (PTB) fez um apelo aos vereadores e disse que os colegas não poderiam perder a oportunidade de ficar do lado da população. Apresentou uma informação nova, que contraria a alegação do prefeito de que as medidas de segurança são contrárias ao interesse público. “O próprio Bradesco do Centro já instalou o jato de fumaça e nos convidou para conhecer o sistema. Se não funcionasse, eles não teriam feito o investimento.”

Em seguida, a proposta de veto foi colocada em votação. O placar foi de goleada: 11 votos contra e três favoráveis. Apenas Luiz Vergara (PPS), líder do prefeito, Jépy Pereira (PSDB) e Laercinho (PP) foram solidários a Alexandre Ferreira. Os dois primeiros não justificaram o voto. Laercinho fez um discurso contraditório, em que criticou o governo. “Há dez anos, tenho a postura de sempre manter vetos, mas o projeto é de longo alcance. O prefeito não deveria ter mandado esta bomba para a Câmara. Poderia ter resolvido lá e evitado muitas intrigas que aconteceram depois.”

O tenente Jean Gustavo, comandante da 5ª Companhia da Polícia Militar, disse que qualquer tipo de tecnologia e ações que sejam implementadas para dar mais segurança ao cidadão são bem-vindas. “Saímos da Câmara contentes com o resultado. É mais segurança para o cidadão, como para o policial.”

O presidente da Câmara deverá promulgar o projeto na próxima semana. Os bancos terão até 210 dias para se adequarem.

Fonte: Edson Arantes – Jornal Comércio da Franca

 

Notícias Relacionadas

Feeb SP/MS participa de 51º Encontro Nacional CONTEC

Evento em Uberlândia debateu temas de interesse da categoria bancária e aprovou pautas de reivindicações para a Campanha Nacional dos Bancários. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, representada por seus sindicatos filiados, marcou presença no 51º Encontro Nacional Contec, realizado nos dias 20 e 21 de junho, […]

Leia mais

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Sindicatos filiados