Campanha 2013 não terminará sem aumento real e soluções para questões de saúde e condições de trabalho, afirma presidenta do Sindicato de Andradina

18.09.2013

A partir do dia 19, os bancários de bancos públicos e privados vão parar. A greve foi decidida na quinta-feira 12, em assembleia e de forma unânime. O índice de 6,1% apresentado pela Fenaban para reajustar salários, piso, vales e auxílios, além da PLR também foi rejeitado por unanimidade. A presidente do Sindicato dos Bancários […]

A partir do dia 19, os bancários de bancos públicos e privados vão parar. A greve foi decidida na quinta-feira 12, em assembleia e de forma unânime. O índice de 6,1% apresentado pela Fenaban para reajustar salários, piso, vales e auxílios, além da PLR também foi rejeitado por unanimidade.

A presidente do Sindicato dos Bancários de Andradina, Simone Gerosa, lembrou que a Campanha 2013 não se encerrará sem aumento real, PLR maior e valorização do piso e vales, além de soluções para questões de saúde e condições de trabalho.

"Iremos à luta ao lado dos trabalhadores bancários de todo o país. Se as pessoas estão indignadas com as metas diárias e abusivas, com o adoecimento de diversos colegas nos locais de trabalho, esse é o momento de dar um basta nessa situação. Vamos construir uma forte greve e mostrar aos banqueiros que merecemos muito mais do que eles propuseram", ressaltou a presidenta.

BB e Caixa

As direções dos bancos públicos não apresentaram proposta às reivindicações específicas e os funcionários também votaram na assembleia pela paralisação a partir do dia 19, para arrancar conquistas na Campanha Nacional 2013.

O calendário de luta, com as datas das assembleias, assim como do início da greve para o dia 19, foi deliberado pelo Comando Nacional dos Bancários, definido logo após a rodada de negociação de 5 de setembro. Bancos propõem reajuste sem aumento real de 6,1%.

Todas as datas foram previstas para respeitar os parâmetros da Lei de Greve e as determinações previstas em estatutos dos sindicatos, de forma que a paralisação dos trabalhadores não possa ser considerada ilegal. O objetivo é que os bancos não consigam impedir judicialmente a greve. 

Fonte: Feeb SP/MS, com LR1 de Andradina e Região 

Notícias Relacionadas

Eleições Economus – Ainda dá tempo de votar!

Passamos da metade do período do pleito, que vai eleger dois membros ao conselho deliberativo e um membro ao conselho fiscal do Economus. Até esta sexta-feira (19), 28% dos eleitores haviam exercido o direito ao voto. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB SP/MS) e seus sindicatos […]

Leia mais

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Sindicatos filiados