Centrais farão forte paralisação na Baixada

29.08.2013

Em coletiva realizada nesta quarta-feira, 28, no Sindicato dos Bancários de Santos, as centrais sindicais disseram que vão paralisar a produção, circulação de mercadorias e os trabalhadores nesta sexta-feira, dia 30. Os representantes das centrais afirmaram que a classe trabalhadora é a única que pode pressionar o governo a negociar e lutar contra a precarização das […]

Em coletiva realizada nesta quarta-feira, 28, no Sindicato dos Bancários de Santos, as centrais sindicais disseram que vão paralisar a produção, circulação de mercadorias e os trabalhadores nesta sexta-feira, dia 30. Os representantes das centrais afirmaram que a classe trabalhadora é a única que pode pressionar o governo a negociar e lutar contra a precarização das condições de trabalho e retirada de direitos.

As manifestações vão iniciar com paralisações das vias, do comércio, dos trabalhadores e terminar com um grande ato unificado das centrais sindicais na Pça. Mauá, a partir das 12h.
Os sindicalistas advertiram a população para não sair de casa porque vai ficar presa no trânsito, apenas as ambulâncias e bombeiros terão passagem livre. Foi ressaltado que a paralisação é o único jeito dos trabalhadores terem suas pautas aprovadas no Congresso Nacional.

Os dirigentes não aceitam a retirada de direitos proposto no Projeto de Lei 4330, que amplia a terceirização dos trabalhadores e precariza as condições de trabalho, diminuindo salários e aumentando as demissões.

Atualmente terceirizados, como vigilantes de banco, fazem o mesmo serviço de quando eram funcionários registrados nas instituições financeiras, porém recebem apenas 1/3 do salário e perderam direitos.

A miséria do trabalhador é o lucro do patrão

Um dado relevante : dos 43 milhões de trabalhadores da ativa, 11,5 milhões são terceirizados, ou seja, 25%, na última década. Neste mesmo período a lucratividade das grandes empresas quadruplicou. Isto demonstra que a terceirização transfere salário, direito e a dignidade do trabalhador para os lucros dos patrões. 

Pauta da classe trabalhadora

Também foram levantadas as bandeiras pelo fim do fator previdenciário; jornada de 40 horas semanais, sem redução de salário; reajuste digno para os aposentados; mais investimentos em saúde pública, educação e segurança pública; transporte público de qualidade; e fim dos leilões do petróleo.

Fonte: Imprensa do Sindicato dos Bancários de Santos

Notícias Relacionadas

Santanderprevi: Alteração de perfil de investimento pode ser feita até 18 de março

Participantes têm prazo para ajustar preferências de investimento, com vigência a partir de 1º de abril Os participantes do Santanderprevi têm até o dia 18 de março para alterar seu perfil de investimento, com vigência a partir de 1º de abril. Se nenhuma mudança for solicitada, o perfil será mantido. Os perfis disponíveis são conservador […]

Leia mais

Representantes da Feeb SP/MS prestigiam homenagem aos 70 anos do Sindicato dos Bancários de Campinas

Sessão na Câmara Municipal de Campinas celebrou a data com a presença de autoridades políticas, sindicalistas e membros da comunidade Representantes da Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) participaram da homenagem feita pela Câmara dos Vereadores de Campinas ao Sindicato dos Bancários de […]

Leia mais

SANTANDER: Banco anuncia avanços em reunião com representantes dos funcionários

Negociações com a COE avança em medidas de benefício e capacitação O Santander anunciou nesta quinta-feira (22), durante a reunião com representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE) Santander, avanços em medidas que beneficiam os funcionários. O encontro ocorreu em formato híbrido e contou com a participação de representantes dos funcionários e do banco. […]

Leia mais

Sindicatos filiados