Centrais pressionam Temer por direitos

27.04.2016

Em encontro com vice-presidente Michel Temer (PMDB) nesta terça-feira (26), em Brasília, dirigentes de quatro centrais sindicais –Força Sindical, UGT (União Geral dos Trabalhadores), CSB (Central Sindical Brasileira) e Nova Central Sindical de Trabalhadores– cobrarão que o peemedebista se comprometa com uma reforma da Previdência que não mexa nos direitos dos trabalhadores. Os sindicalistas dirão […]

Em encontro com vice-presidente Michel Temer (PMDB) nesta terça-feira (26), em Brasília, dirigentes de quatro centrais sindicais –Força Sindical, UGT (União Geral dos Trabalhadores), CSB (Central Sindical Brasileira) e Nova Central Sindical de Trabalhadores– cobrarão que o peemedebista se comprometa com uma reforma da Previdência que não mexa nos direitos dos trabalhadores.

Os sindicalistas dirão a Temer que não apoiam e nem apoiarão qualquer proposta similar à do governo Dilma Rousseff (PT), que estabelece, entre outros pontos, idade mínima para a aposentaria.

Em seu programa "Uma Ponte para o Futuro", o PMDB pede, no entanto, idade mínima para aposentadoria para aliviar as contas públicas.

No programa com propostas econômicas lançado em outubro do ano passado, o partido diz que "é preciso ampliar a idade mínima para a aposentadoria, de sorte que as pessoas passem mais tempo de suas vidas trabalhando e contribuindo, e menos tempo aposentados".

O documento peemedebista sustenta ainda que é "preciso introduzir, mesmo que progressivamente, uma idade mínima que não seja inferior a 65 anos para os homens e 60 anos para as mulheres, com previsão de nova escalada futura.

"Temos uma agenda trabalhista voltada para o desenvolvimento e o crescimento econômico e queremos debater isso como o Temer", afirmou à Folha o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força.

No documento que será entregue ao vice-presidente no encontro no Palácio do Jaburu, as centrais dizem também que "os brasileiros –principalmente os menos favorecidos economicamente– estão cansados do desajuste da economia" e que o eventual governo Temer deve se comprometer com uma agenda que esteja "voltada para o desenvolvimento e o crescimento econômico e também para a distribuição de renda".

"Nós, trabalhadores, destacamos a necessidade da imediata retomada do crescimento econômico, da geração de emprego, de renda e da preservação e ampliação dos direitos trabalhistas e das conquistas sociais", diz o texto.

Além da questão da Previdência, o texto elaborado pelas centrais sindicais elenca outros pontos essenciais aos trabalhadores em uma provável gestão de Temer.

Estão entre elas: "a correção da tabela do Imposto de Renda; a renegociação da dívida interna; o fortalecimento e retomada do protagonismo histórico do Ministério do Trabalho juros menores, voltados ao consumo e aos investimentos no comércio e na indústria; e inclusão de representantes do capital e do trabalho no Comitê de Política Econômica do BC".

Os sindicalistas pediram o encontro com Temer para "marcar posição" e "garantir espaço" às suas demandas, principalmente depois de o vice ter recebido representantes da indústria, neste domingo (24), no Palácio do Jaburu.

Fonte: Folha de S. Paulo – Thais Arbex

Notícias Relacionadas

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Caixa afirma que contencioso é insignificante, mas dados disponíveis demonstram o oposto

Fonte: APCEF/SP com informações da Fenae Em uma live realizada nesta terça-feira (18), a Funcef (Fundação dos Economiários Federais) e a Caixa anunciaram que estão abordando o contencioso trabalhista. Segundo Leonardo Groba, diretor jurídico da Caixa, o contencioso atual estaria estimado em cerca de R$ 500 milhões, “não tem grandes proporções, mas a Caixa possui […]

Leia mais

Sindicatos filiados