Centrais sindicais protestam em SP para pressionar Copom a não elevar juros

19.01.2016

Fernanda Cruz Agência Brasil Manifestantes de centrais sindicais fazem ato nesta terça-feira (19), em frente à sede do Banco Central em São Paulo, na Avenida a Paulista, para pressionar o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central a não elevar a taxa básica de juros (Selic). A primeira reunião do ano do Copom começa […]

Fernanda Cruz
Agência Brasil

Manifestantes de centrais sindicais fazem ato nesta terça-feira (19), em frente à sede do Banco Central em São Paulo, na Avenida a Paulista, para pressionar o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central a não elevar a taxa básica de juros (Selic).

A primeira reunião do ano do Copom começa na tarde desta terça-feira, em Brasília, e termina no início da noite de amanhã (20). A expectativa do mercado é que, após três reuniões consecutivas sem alteração na Selic – que está em 14,25% ao ano–, o colegiado retome o ciclo de elevações. As instituições financeiras ouvidas para o boletim Focus apostam em alta de 0,5 ponto percentual.

O protesto se concentrou na calçada do prédio do Banco Central, sem bloquear o trânsito na Avenida Paulista. A Polícia Militar informou que não divulgará o número de participantes.

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, defende que a elevação dos juros pode trazer prejuízos aos trabalhadores. "O aumento da taxa de juros significa mais desemprego, menos produção e menos consumo. Os trabalhadores estão preocupados com essa política do governo de juros altos. Aumentar a taxa de juros é continuar com a recessão, o desemprego."

Josimar Andrade, dirigente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), acredita que a alta dos juros não inibe a inflação. "Não é só aumentando os juros que vai segurar a inflação. A UGT não concorda com essa política de centrar o foco exclusivamente elevando a taxa de juros."

A ato teve ainda uma guilhotina simbólica, que faz parte de uma campanha nacional contra os altos juros do cartão de crédito. "O trabalhador e a sociedade já estão com o pescoço para ser degolado. A UGT, ao longo de três anos, vem fazendo essa campanha, combatendo também as administradoras de cartão de crédito", disse Josimar.

Fonte: UOL – Economia
Foto:   Nelson Antoine / FramePhoto / Agência O Globo

 

Notícias Relacionadas

Caixa terá processo seletivo para a escolha dos diretores da FUNCEF

Inscrições já foram iniciadas e seguem até a próxima quinta-feira (9/2) Os cargos de diretor-presidente e diretor de Investimentos e Participações Societárias e Imobiliárias da Fundação dos Economiários Federais (FUNCEF) serão escolhidos por meio de processo seletivo. O anúncio foi feito em edital publicado pela Caixa. As inscrições tiveram início na última sexta-feira (3/2) e […]

Leia mais

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Sindicatos filiados