Citigroup tem lucro líquido de US$ 3,2 bilhões no 3º trimestre

15.10.2013

SÃO PAULO – O Citigroup divulgou nesta terça-feira o resultado do terceiro trimestre deste ano. No período, o banco registrou um lucro líquido de US$ 3,2 bilhões e receitas de US$ 17,9 bilhões. O resultado chega bem maior daquele realizado no mesmo período de 2012. Há um ano atrás, o banco anunciava um lucro líquido […]

SÃO PAULO – O Citigroup divulgou nesta terça-feira o resultado do terceiro trimestre deste ano. No período, o banco registrou um lucro líquido de US$ 3,2 bilhões e receitas de US$ 17,9 bilhões.

O resultado chega bem maior daquele realizado no mesmo período de 2012. Há um ano atrás, o banco anunciava um lucro líquido de US$ 468 milhões e receita de US$ 13,7 bilhões no terceiro trimestre. As receitas do Citigroup de julho a setembro de 2013 representam um aumento de 30% sobre o mesmo período do ano passado. Em relação ao 2º trimestre de 2013, quando o Citigroup obteve ganhos de US$ 4,18 bilhões, houve uma queda de 23% no lucro líquido.

Apesar do salto no lucro líquido na comparação com um ano antes, o ganho se mantém em linha com o resultado do 3º trimestre de 2012. Isso porque, excluindo os itens extraordinários, o lucro líquido registrado pela instituição um ano antes alcançou US$ 3,3 bilhões. Na ocasião, entre as despesas extraordinárias, o banco deu como perdidos US$ 4,7 bilhões após concordar em vender sua participação na corretora Morgan Stanley Smith Barney por menos do que esperava.

O Citi é o segundo banco a divulgar os resultados do terceiro trimestre. Na sexta-feira, o J.P. Morgan inaugurou a temporada de balanços de grandes bancos nos Estados Unidos ao anunciar um prejuízo de US$ 380 milhões. As despesas com litígios antes dos impostos contribuíram fortemente para o resultado negativo, ao alcançarem US$ 9,15 bilhões.

Em comunicado à imprensa o presidente do Citi, Michael Corbat, afirmou: “Desempenhamos relativamente bem nesse desafiante ambiente macroeconômico. Enquanto muitos dos fatores que influenciaram nossas receitas não estavam sob nosso controle, nós certamente podemos controlar nossos custos. E estou satisfeito com nossa disciplina de custos e quanto à melhora de nossa eficiência”.

Fonte: Valor Econômico

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados