Cliente novo muda carteira da Caixa

24.01.2013

A incorporação de milhares de clientes sem histórico de relacionamento bancário, atraídos pelas menores taxas de juros do mercado, provoca uma mudança no perfil do tomador de crédito da Caixa Econômica Federal. Embora a instituição surpreenda ao conseguir expandir sua carteira de crédito num ritmo anual acima de 40% e ainda manter os índices tradicionais […]

A incorporação de milhares de clientes sem histórico de relacionamento bancário, atraídos pelas menores taxas de juros do mercado, provoca uma mudança no perfil do tomador de crédito da Caixa Econômica Federal.

Embora a instituição surpreenda ao conseguir expandir sua carteira de crédito num ritmo anual acima de 40% e ainda manter os índices tradicionais de inadimplência (acima de 90 dias) baixos e controlados, em torno de 2%, é possível notar uma lenta, silenciosa e por enquanto leve piora na "parte boa" da carteira de empréstimos da instituição.

A mudança se dá pela expansão da carteira com classificação de risco C, último degrau de risco baixo dentro da escala do Banco Central. Essas notas (ou ratings) dependem do perfil do tomador, da política de crédito do banco e também de atrasos efetivos identificados. No caso da Caixa, o crescimento é atribuído à prudência do próprio banco, ao analisar o perfil da nova clientela.

Mas existe também aumento do percentual de atrasos nessas operações. Os créditos com algum tipo de atraso dentro do rating C representavam 4,8% da carteira total de empréstimos da Caixa em setembro de 2012, ante um índice de 2,6% no fim de 2009.

A instituição estatal nega, entretanto, que essa mudança dentro da carteira "boa" seja um sinal antecedente de piora da inadimplência, que castiga os balanços de concorrentes, mas não a afeta. "Não consideramos relevante ou preocupante, embora os índices sejam acompanhados mensalmente", disse Rauelison Muniz dos Santos, diretor executivo de riscos da Caixa, ao ser questionado sobre o tema.

Analistas e banqueiros costumam classificar os empréstimos com ratings no intervalo de AA a C como de boa qualidade, restando como problemáticas as operações identificadas como de D a H. Por esse último quesito, pode-se dizer que os indicadores da Caixa "vão muito bem, obrigado". A fatia de D-H, que reúne os empréstimos de até três anos com atraso acima de 61 dias e empréstimos mais longos com atraso acima de 121 dias, está em torno de 8% desde 2009.

Mas se a carteira C representava 12,3% dos empréstimos da Caixa no fim de 2009, em setembro de 2012 ela passou a responder por 17,3% do total de financiamentos. Em termos nominais, saiu de R$ 15,6 bilhões para R$ 57,1 bilhões em igual intervalo. Quando se olha dentro da carteira de C, nota-se que a parcela com curso anormal (atraso acima de 14 dias) atingiu 27,6% em setembro de 2012, ante 21,1% ao fim de 2009.

Fonte: Valor Econômico  

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados