COE Bradesco questiona fechamento de agências e demissões

26.02.2021

Temas como violência doméstica e home office também foram levantados Nesta quinta-feira (25), o COE Bradesco se reuniu com representantes do Banco para avaliar questões como fechamento de agências, demissões, home office e violência contra a mulher. De acordo com Lourival Rodrigues, representante da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso […]

Temas como violência doméstica e home office também foram levantados

Nesta quinta-feira (25), o COE Bradesco se reuniu com representantes do Banco para avaliar questões como fechamento de agências, demissões, home office e violência contra a mulher.
De acordo com Lourival Rodrigues, representante da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) no COE, “A reunião resultou em deliberações importantes para esse momento de incerteza e preocupação, gerado pela pandemia e pelas demissões”.

Demissões
O COE Bradesco questionou o banco sobre o plano de demissão feito em 2020, que desligou mais de 7 mil funcionários e reivindicou a preservação do emprego.Com relação ao assunto, o banco informou o fechamento de mais de 400 agências e manteve o compromisso de alocar os funcionários das agências fechadas.

“Apesar do compromisso assumido pelo Banco, será preciso por parte dos sindicatos, acompanhar todo o processo. Com isso é fundamental que possíveis problemas sejam informados, para uma rápida ação da entidade”, explica Lourival.

Outras deliberações
Com relação ao acordo que regulamenta o teletrabalho, aprovado em assembleia realizada nos dias 11 e 12 de setembro do ano passado, o banco pronunciou que só entrará em vigor depois do fim da pandemia.
Sobre o sistema home office, o Banco reforçou que veio para ficar.

Com relação ao rodízio de funcionários, que em algumas localidades está deficiente, o banco destacou que irá reorientar os gestores e considerou ser uma camada adicional de proteção ao covid.

O movimento sindical informou, ainda, que em algumas agências os funcionários estão saindo para almoçar às 15h; após o fechamento das agências. O problema será analisado pelo banco.

A implantação do canal de comunicação, incorporado em 2020, para a denúncia sobre violência doméstica, também foi pauta da reunião. em resposta, o Banco apresentou o programa com o Slogan "Violência contra as mulheres é da nossa conta" e informou que o canal de atendimento será através do canal Viva Bem.
 

Notícias Relacionadas

Financiários conquistam proposta com reajustes econômicos e garantias de direitos

Feeb SP/MS indica aceitação da proposta; assembleias devem ser realizadas até segunda-feira (10) Depois de uma negociação que se estendeu por quase três meses, os financiários conquistaram a garantia de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) por dois anos. Em negociação realizada na manhã desta quarta-feira (5), de forma híbrida, a Federação […]

Leia mais

Financiários se reúnem com a Fenacrefi nesta quarta-feira (5)

Este será o terceiro encontro de negociação desde a entrega da pauta de reivindicações, realizada em 1º de julho Representantes dos financiários se reúnem com a Federação Interestadual das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi), nesta quarta-feira (5), às 11h, para dar continuidade às negociações da Campanha Nacional 2022. Esta será a terceira rodada […]

Leia mais

Feeb SP/MS discute nova terceirização do Santander nesta terça-feira (4)

Nesta terça-feira (4), dirigentes sindicais da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) se reúnem para tratar sobre o tema “Terceirização do Santander”. A expectativa é a de que 1,7 mil empregados passem a atuar na empresa SX Tools, criada pelo próprio banco. O anúncio foi feito […]

Leia mais

Sindicatos filiados