COE se reúne com Bradesco e cobra explicações sobre as medidas de transição da incorporação do HSBC

26.10.2016

Na tarde desta quarta-feira (26), membros da Comissão de Organização dos Empregados do Bradesco (COE Bradesco) e da diretoria de RH do banco reuniram-se na Cidade de Deus, em Osasco, onde está localizada a matriz do Bradesco para discutir as medidas emergenciais que vem sendo aplicadas pelo banco durante a transição para o HSBC, que […]

Na tarde desta quarta-feira (26), membros da Comissão de Organização dos Empregados do Bradesco (COE Bradesco) e da diretoria de RH do banco reuniram-se na Cidade de Deus, em Osasco, onde está localizada a matriz do Bradesco para discutir as medidas emergenciais que vem sendo aplicadas pelo banco durante a transição para o HSBC, que está com o cronograma atrasado e tem sobrecarregado os trabalhadores, uma vez que implicam em trabalhos de final de semana, horário estendido, entre outros.

A reunião foi solicitada pelos representantes dos para cobrar explicações do banco a respeito dessas medidas. Trabalho aos finais de semana, horário estendido, das 08h às 17h, implantado recentemente para que o banco pudesse dar conta da transição da estrutura do HSBC para a do Bradesco, participação de funcionários de outras agências para ajudar os bancários incorporados (agências madrinhas), seguro de vida, PPR/PSV (remuneração variável), qual será o período que o banco irá utilizar para incorporar aos salários, já que o banco não paga remuneração variável e informou que faria uma média dos últimos 12 meses e incorporaria o pagamento ao salário dos ex-HSBC, mas não havia comunicado a data que seria feito esse pagamento, além de cobrança de metas foram alguns dos temas sobre os quais a diretoria do banco foi questionada.

Lourival Rodrigues e Gisele Paifer, membros da COE Bradesco representaram a FEEB-SP/MS na reunião. O banco irá apresentar as respostas na primeira quinzena de novembro, quando irá se reunir com a COE novamente.

“Entendemos que essa reunião abre caminho pra resolver conflitos que surgiram no momento da fusão. Inclusive o banco admitiu que esse período foi conturbado, pelo porte da aquisição do HSBC. Importante salientar que o movimento sindical esta acompanhando de perto e estamos pressionando para que esses conflitos sejam resolvidos. Nosso objetivo é garantir que os bancários tenham condições de trabalho adequadas”, avalia Gisele.
 

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados