Com posições políticas divergentes, centrais sindicais organizam ato comum contra juros e desemprego

14.07.2016

CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CTB e CSB marcharão unidas pela Avenida Paulista no próximo dia 19 Com posicionamentos divergentes sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff e na relação com o governo interino de Michel Temer, as seis principais centrais sindicais do país organizam um inédito ato de rua em que estarão juntas […]

CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CTB e CSB marcharão unidas pela Avenida Paulista no próximo dia 19

Com posicionamentos divergentes sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff e na relação com o governo interino de Michel Temer, as seis principais centrais sindicais do país organizam um inédito ato de rua em que estarão juntas por uma pauta trabalhista comum. CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CTB e CSB marcharão unidas pela Avenida Paulista no próximo dia 19 para reivindicar a redução de juros e por mais empregos.

Uma semana depois, no dia 26, lideranças das mesmas centrais realizarão uma plenária nacional conjunta. Na ocasião, vão elaborar um documento comum com propostas para a redução das taxas de juros e combate ao desemprego, nos moldes do manifesto “Compromisso pelo Desenvolvimento” feito em 2015.

Para o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, apesar das divergências políticas entre as centrais, os motivos para a junção são 'suficientes'

O cronograma de atividades foi definido em reunião nesta quarta-feira em São Paulo, que contou com a presença de dirigentes das centrais. Ficou acertado que as manifestações políticas ficarão de fora tanto no ato de rua quanto no documento conjunto.

“A crise política não será tema do discurso”, ressalta o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna. Segundo ele, a realização de atos com a participação das principais centrais significa um amadurecimento do movimento sindical brasileiro, que ultrapassa as diferenças de posições políticas.

A Força Sindical apoiou, inclusive nos atos de rua, o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Seu principal representante, o deputado Paulinho da Força (SD-SP), faz parte da base de apoio do governo interino de Michel Temer.

No mesmo período, centrais como CUT e CTB organizaram passeatas "em defesa da democracia e contra o golpe". As centrais fazem parte da Frente Povo Sem Medo, que anuncia nesta quinta-feira, 14, novos protestos contra o governo Temer. Para o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre, apesar das divergências políticas entre as centrais, a expectativa geral é que “virá um período difícil” para os trabalhadores com a tramitação de diversas propostas que significam redução de direitos. “Os motivos para estarmos juntos são mais do que suficientes. Historicamente nossas conquistas vieram quanto tivemos unidos”, disse.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Notícias Relacionadas

Campanha Nacional: Combate ao Assédio Moral volta a ser negociado com Federação Nacional dos Bancos (Fenaban)

Bancos negam que causa de adoecimento está relacionada à cobrança de metas O Comando Nacional dos Bancários se reuniu com a Federação Nacional dos Bancos nesta segunda-feira (15), para mais uma negociação. O combate ao assédio moral foi novamente tema do debate. Apesar de mais uma vez os bancos negarem que a causa do adoecimento […]

Leia mais

CEBB negocia com o banco cláusulas econômicas e representação sindical

Ao término da negociação, bancários leram manifesto pela democracia Bancários do Banco do Brasil se reuniram nesta sexta-feira (12) com o banco para mais uma negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2022, que tem por objetivo a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico dos trabalhadores do Banco do Brasil e do aditivo à […]

Leia mais

Federação dos Bancários orienta Sindicatos para realização de lives na próxima semana

Objetivo é promover o dialogo com a categoria e fortalecer pautas de luta na Campanha Nacional Conforme orientação do Comando Nacional, todo o movimento sindical deve dialogar com a categoria na próxima semana. A Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, reforça o pedido para os seus 23 sindicatos filiados, para […]

Leia mais

Sindicatos filiados