Comando analisará dados sobre assédio moral apresentados pela Fenaban

07.03.2014

  Na negociação realizada nesta quinta-feira, 6, sobre o instrumento de combate ao assédio moral, previsto na cláusula 57ª da Convenção Coletiva de Trabalho, a Fenaban apresentou ao Comando Nacional dos Bancários os dados estatísticos setoriais sobre as denúncias, para que possa ser feita avaliação do andamento do programa. O Comando a partir de agora, […]

 

Crédito: Jailton Garcia - Contraf

Na negociação realizada nesta quinta-feira, 6, sobre o instrumento de combate ao assédio moral, previsto na cláusula 57ª da Convenção Coletiva de Trabalho, a Fenaban apresentou ao Comando Nacional dos Bancários os dados estatísticos setoriais sobre as denúncias, para que possa ser feita avaliação do andamento do programa. O Comando a partir de agora, com a assessoria do Dieese e consultorias, vai analisar os dados apresentados e uma nova negociação será realizada.

Os bancários apresentaram uma série de críticas e sugestões ao funcionamento do programa, como sobre a necessidade de maior rigor no cumprimento do prazo de 45 dias para a apuração das denúncias, ao fato dos bancos estarem apresentando respostas padronizadas aos sindicatos e a preocupação de como fica a situação dos denunciantes e denunciados dentro do banco, pós-denúncia.

Outras questões levantadas foram a da necessidade de preservação do sigilo das pessoas que transitam pelo programa e também a de uma divulgação mais ampla desse direito dentro dos bancos: "Nosso objetivo é aprofundar essa discussão, dar mais credibilidade ao programa e com isso melhorar as condições dos ambientes de trabalho", afirma Walcir Previtale, secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf.

Oficina sobre o Combate ao Assédio Moral

O Coletivo Nacional de Saúde do Trabalhador, reunido na manhã desta quinta-feira, na sede da Contraf, discutiu e avaliou como tem sido até agora o cumprimento do Acordo Aditivo de Combate ao Assédio Moral, que completou três anos.

Na reunião, o Coletivo reafirmou que o Acordo representa um grande avanço, é uma importante conquista para os bancários e que é preciso aprofundar este debate.

"Precisamos fortalecer o instrumento de maneira coletiva. O combate ao assédio moral precisa ser melhor compreendido e apropriado pelos trabalhadores", salienta Walcir.

O Coletivo reiterou proposta apresentada no Seminário do Comando Nacional dos Bancários, realizado no mês passado, de promover uma oficina sobre o tema, com a participação de todos os sindicatos signatários do Acordo Aditivo. A data indicativa para a realização da oficina é meados de abril.

Fonte: Contraf 

  

Notícias Relacionadas

Caixa terá processo seletivo para a escolha dos diretores da FUNCEF

Inscrições já foram iniciadas e seguem até a próxima quinta-feira (9/2) Os cargos de diretor-presidente e diretor de Investimentos e Participações Societárias e Imobiliárias da Fundação dos Economiários Federais (FUNCEF) serão escolhidos por meio de processo seletivo. O anúncio foi feito em edital publicado pela Caixa. As inscrições tiveram início na última sexta-feira (3/2) e […]

Leia mais

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Sindicatos filiados