Comissão Executiva dos Empregados retoma negociação sobre Saúde Caixa nesta sexta-feira (3)

02.09.2021

Decisão do Senado suspende efeitos da resolução 23 de 2018 A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal se reúne nesta sexta-feira (3), a partir das 10h30, com o banco para a retomada das negociações sobre o modelo de custeio e gestão do Saúde Caixa, a ser implementado a partir de 2022. Na […]

Decisão do Senado suspende efeitos da resolução 23 de 2018

A Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa Econômica Federal se reúne nesta sexta-feira (3), a partir das 10h30, com o banco para a retomada das negociações sobre o modelo de custeio e gestão do Saúde Caixa, a ser implementado a partir de 2022.

Na última reunião, a Caixa se manteve intransigente com relação à aplicação da Resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), que prevê a paridade nas contribuições assistenciais e administrativas do Saúde Caixa, alterando o modelo atual de 70% dos custos financiados pela empresa e 30% pelos empregados.

Os empregados, por sua vez, discordaram da imposição do banco com relação ao assunto e defendem a manutenção pelo atual modelo.

Senado aprova PDL 342/2021

A aprovação do Senado ao PDL 342/2021, na noite de quanrta-feira (01), suspende, portanto, os efeitos da resolução 23 de 2018, que estabelecia regras de custeio das empresas estatais federais sobre benefícios de assistência à saúde aos empregados, entre elas, a limitação da contribuição das empresas aos planos de saúde dos empregados que forem organizados sob a forma de autogestão. Por tratar-se de Projeto de Decreto Legislativo, a aprovação não necessita de sanção presidencial, uma vez que vira lei assim que aprovada.

"Esperamos que o primeiro efeito prático da aprovação do PDL 342/2021 seja a mudança de postura da Caixa com relação ao custeio do nosso plano de saúde. A direção da empresa se apegava à CGPAR23, um elemento totalmente estranho à negociação", destaca Carlos Augusto Pipoca, representante da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul na CEE Caixa.  "Nosso papel agora é discutir o assunto sobre outras bases, com destaque às resoluções do CONECEF que sempre balizam nossas reivindicações", completa. 

Notícias Relacionadas

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Caixa afirma que contencioso é insignificante, mas dados disponíveis demonstram o oposto

Fonte: APCEF/SP com informações da Fenae Em uma live realizada nesta terça-feira (18), a Funcef (Fundação dos Economiários Federais) e a Caixa anunciaram que estão abordando o contencioso trabalhista. Segundo Leonardo Groba, diretor jurídico da Caixa, o contencioso atual estaria estimado em cerca de R$ 500 milhões, “não tem grandes proporções, mas a Caixa possui […]

Leia mais

Sindicatos filiados