CPI eleva cálculo da fraude dos fundos de pensão para R$ 4,2 bi

14.04.2016

Inicialmente, o relatório apresentado nesta terça-feira apontava perdas de R$ 3 bilhões; documento tem mais de 800 páginas A Comissão Parlamentar de Inquérito dos Fundos de Pensão divulgou uma nova tabela que detalha os números do relatório feito pelo deputado Sérgio Souza (PMDB-PR) e aponta prejuízos de R$ 4,26 bilhões em 15 casos investigados pela […]

Inicialmente, o relatório apresentado nesta terça-feira apontava perdas de R$ 3 bilhões; documento tem mais de 800 páginas

A Comissão Parlamentar de Inquérito dos Fundos de Pensão divulgou uma nova tabela que detalha os números do relatório feito pelo deputado Sérgio Souza (PMDB-PR) e aponta prejuízos de R$ 4,26 bilhões em 15 casos investigados pela CPI.

A leitura do parecer deveria ter ocorrido na segunda-feira (11), mas o relator da comissão argumentou que o surgimento de novos fatos e informações nos últimos dias tornou necessária a complementação do parecer. Inicialmente o relatório teria em torno de 700 páginas e demonstrava perdas de mais de R$ 3 bilhões.

A sessão começou por volta das 15h30 desta terça-feira e o documento, com 832 páginas, mostra que foram decretadas 350 quebras de sigilo de contas bancárias. Os dados de 63 quebras de sigilo, porém, ainda não chegaram à CPI.

"Na nossa avaliação, esse atraso nos relatórios não traz prejuízos. A grande maioria dos bancos contribuiu e assim que esses documentos chegarem iremos encaminhá-los para o Ministério Público e para a Polícia Federal", afirmou o presidente da comissão, o deputado Efraim de Araújo Morais Filho (DEM-PB).

Ontem, Souza pediu mais 24 horas de prazo para acrescentar informações, principalmente por causa do indiciamento, pela Polícia Federal, de sete investigados na Operação Positus por fraudes no período entre 2006 e 2011 na gestão de recursos do Postalis, o fundo de pensão dos funcionários dos Correios. O relatório atualizado encontra-se na página da Câmara, na internet.

O relatório da CPI, agora, pede a apuração de responsabilidade civil de 158 agentes e instituições privadas. Neste caso, os nomes serão encaminhamentos ao Ministério Público para análise e propositura de Ação Civil Pública por Ato de Improbidade Administrativa e ressarcimento aos fundos. O relator também pediu ao Ministério Público a apuração de responsabilidade penal de 145 pessoas. Encaminhou ainda, aos órgãos de controle externo, pedido para instauração de 50 procedimentos administrativos e outras medidas.

A comissão analisou mais detalhadamente 15 casos que apontaram fraude e má gestão dos investimentos feitos pelos dirigentes da Previ (dos funcionários do Banco do Brasil), da Petros (Petrobrás), Funcef (Caixa Econômica Federal) e do Postalis (Correios).

Fonte: Estadão – Victor Martins – matéria publicada em 12/04/2016
 

Notícias Relacionadas

Dia Mundial de Combate à Aids

O dia 1º de dezembro é o Dia Mundial  de Combate à Aids. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde e é celebrada anualmente desde 1988 no Brasil, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde que fixou a data de comemoração. O objetivo da data é conscientizar as pessoas para o problema, acabar […]

Leia mais

Caixa propõe usar GDP na Promoção por Mérito

Na terceira rodada de negociação, Caixa rejeita proposta apresentada pelos representantes dos empregados e insiste na utilização da GDP O Grupo de Trabalho (GT) sobre Promoção por Mérito na Caixa Federal se reuniu ontem (29) com representantes do banco para a terceira reunião sobre o tema. A primeira ocorreu no último dia 10 e a […]

Leia mais

Vitória da Categoria: PL 1043 é retirado da pauta de votação

Projeto de Lei que autoriza a abertura das agências e o trabalho bancário aos sábados, domingos e feriados foi retirado da pauta de votação na CDC da Câmara dos Deputados; pressão da categoria foi fundamental O Projeto de Lei 1.043/2019, que autoriza a abertura de agências e o trabalho bancário aos sábados domingos e feriados foi […]

Leia mais

Sindicatos filiados