Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidente e Doenças do Trabalho

28.04.2022

Por Gustavo Frias, SEEB Campinas   O dia 28 de abril é lembrado como o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidente e Doenças do Trabalho. A data foi criada em 2003 pela OIT em memória às vítimas da explosão de uma mina na Virgínia (Estados Unidos), que matou 78 mineiros. Portanto, não é […]

Por Gustavo Frias, SEEB Campinas  

O dia 28 de abril é lembrado como o Dia Mundial em Memória às Vítimas de Acidente e Doenças do Trabalho. A data foi criada em 2003 pela OIT em memória às vítimas da explosão de uma mina na Virgínia (Estados Unidos), que matou 78 mineiros. Portanto, não é uma data comemorativa, mas um momento de reflexão sobre as condições de trabalho. Segundo dados da OIT, o Brasil ocupa o quarto lugar em mortes relacionadas com o trabalho no mundo.

Para marcar esse dia, o movimento sindical, por meio da CONTRAF, realizou o Seminário: Adoecimento Psíquico No Trabalho Bancário. O evento contou com a participação de mais de 100 dirigentes sindicais, além da presença de profissionais da área da psicologia, que abordaram temas bastantes sensíveis para a categoria, como o suicídio e a Síndrome de Burnout.

Importante destacar que a partir dos anos 90 começou a se avolumar o adoecimento mental na categoria bancária. A reestruturação produtiva realizada por meio da cobrança de metas na venda de produtos potencializou os adoecimentos por depressão e síndrome de burnout nos bancários. A gravidade chegou a tal ponto que levou trabalhadores ao suicídio. Ao contrário da causalidade individual e patológica, os pesquisadores consideram esse assunto uma questão de saúde pública, pois ao olharmos os números globais de suicídio, o modelo individual e patológico não é suficiente para aceitarmos e entendermos a natureza do problema que estamos enfrentando e a partir daí desenvolver iniciativas concretas de prevenção.

Em relação ao aumento dos casos de síndrome de burnout na categoria, é urgente conscientizar e combater a desumanização do trabalho através da naturalização de ações que não são corretas como o assédio moral praticado com estratégias de isolamento, discriminação e humilhação aos trabalhadores.

São questões muito graves e nesse dia 28 de abril é importante que todos olhem com atenção, afinal, a proteção à vida e à saúde é um direito e também uma luta de todos nós.

Gustavo Frias é diretor do Sindicato dos Bancários de Campinas e representa a Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul no Coletivo Nacional de Saúde e na mesa temática de Saúde.

Notícias Relacionadas

BB prioriza diversidade na expansão das Gepes

Mulheres, negros, indígenas e PcDs terão prioridade no programa que irá dobrar a rede de Gestão de Pessoas O Banco do Brasil anunciou, nesta quarta-feira (21), um programa de expansão da rede de Gestão de Pessoas (Gepes). Durante a reunião com membros da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), o banco […]

Leia mais

COE do Bradesco discute reestruturação no banco

 Sindicato expressa preocupação com direção futura da instituição financeira A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco se reuniu na última terça-feira (20), na sede da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), em São Paulo, para discutir a reestruturação anunciada pelo novo presidente do banco, Marcelo Noronha, em 7 de fevereiro, sem […]

Leia mais

Sindicato dos Bancários de Campinas completa 70 anos e receberá homenagem na Câmara da cidade

Sessão solene na Câmara de Vereadores será realizada nesta quinta-feira (22). Evento terá exposição de fotos históricas das lutas da entidade O plenário da Câmara dos Vereadores de Campinas realizará, nesta quinta-feira (22), uma sessão solene em homenagem aos 70 anos de fundação do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, cuja data de fundação foi 27 […]

Leia mais

Sindicatos filiados