Dia Nacional de Lutas: Ato das centrais sindicais reúne milhares em defesa da classe trabalhadora

28.01.2015

Ataque aos direitos trabalhistas, política econômica conservadora e corrupção na Petrobras foram foco dos protestos que ocorreram em todo país; Em São paulo, mais de cinco mil participaram da manifestação Reunidas para protestar contra as recentes alterações nos benefícios trabalhistas e previdenciários impostas pelas MPs 664 e 665, contra a política econômica conservadora posta em […]

Ataque aos direitos trabalhistas, política econômica conservadora e corrupção na Petrobras foram foco dos protestos que ocorreram em todo país; Em São paulo, mais de cinco mil participaram da manifestação

Reunidas para protestar contra as recentes alterações nos benefícios trabalhistas e previdenciários impostas pelas MPs 664 e 665, contra a política econômica conservadora posta em prática pelo governo antes mesmo do início de seu segundo mandato, e em defesa da Petrobrás, que teve sua reputação duramente abalada pelos desdobramentos da Operação Lava-Jato, as principais centrais sindicais do país (UGT – União Geral dos Trabalhadores, CUT- Central Única dos Trabalhadores, Força Sindical, CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros e Nova Central) mandaram um recado a Dilma e seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy: não irão admitir que seja levada adiante esta política lesiva ao trabalhador e em benefício do sistema financeiro.

De acordo com os dirigentes das centrais sindicais que discursaram durante o ato, ao invés de protesto para exigir a revogação das MPs e um basta na corrupção na Petrobras, deveriam estar discutindo com o governo medidas urgentes para conter o desemprego, que vem atingindo principalmente a indústria automobilística, bem como, reivindicações antigas da classe: a redução da jornada de trabalho, que há vinte anos aguarda aprovação na Câmara Federal e outras iniciativas em benefício do trabalhador, como o fim do fator previdenciário e a realização de uma reforma tributária progressista, que inclua a desoneração aos mais pobres e a taxação de grandes fortunas.

“Ou o governo retrocede, ou vamos endurecer cada vez mais. Não admitimos iniciar o ano com falta de luz e de água e a conta sendo cobrada dos trabalhadores, nós que construímos este país. Não podemos permitir também, que a Petrobrás vire água, queremos petróleo, queremos riqueza”, discursou o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah.

O companheiro José Maria, do SEEB de Franca presente no ato falou sobre a expectativa dos sindicatos e trabalhadores engajados Dia Nacional de Lutas: “A manifestação de hoje inicia um movimento para buscar corrigir as injustiças que este governo está promovendo contra a classe trabalhadora. Nossa expectativa é que os movimentos cresçam em todo o país e possamos estabelecer uma negociação com o governo federal”, explica.

 

Notícias Relacionadas

Conferência Interestadual aprova eixos para Conferência Nacional de 2024

Sindicatos dos Bancários debateram propostas e aprovaram pautas em defesa do trabalhador. Documento será apresentado em Conferência Nacional para discussão na Campanha Salarial de 2024 Delegações de 21 regionais dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul se reuniram nesta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, para debater propostas que serão […]

Leia mais

Abertura da Conferência Interestadual da Feeb SP/MS conta com delegações de 21 regionais

  Primeiro dia de evento amplia visão sobre o futuro do Sistema Financeiro, Cenário Econômico Nacional e Avanço Tecnológico  A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (Feeb SP/MS) abriu nesta quinta-feira (11) a Conferência Interestadual dos Bancários de 2024. O tema central do evento deste ano é “Categoria […]

Leia mais

Proposta da Caixa para PcD é frustrante

Contudo, houve definição sobre pagamento dos deltas da promoção por mérito A proposta da Caixa Econômica Federal sobre redução de jornada e priorização de empregadas e empregados PcD, ou que tenham filhos de até seis anos com deficiência, frustrou a representação dos trabalhadores. “Na proposta do banco, somente há possibilidade de redução da jornada com […]

Leia mais

Sindicatos filiados