Diante da intransigência da Fenaban, bancários intensificam a greve

14.09.2016

Na base da Federação o número de agências paralisadas subiu para 2.024; Comando e Fenaban se reúnem novamente nesta quinta-feira (15) para nova rodada de negociação A Greve Nacional dos Bancários, que entrou no nono dia, continua crescendo nesta quarta-feira (14). Na base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul […]


Na base da Federação o número de agências paralisadas subiu para 2.024; Comando e Fenaban se reúnem novamente nesta quinta-feira (15) para nova rodada de negociação

A Greve Nacional dos Bancários, que entrou no nono dia, continua crescendo nesta quarta-feira (14). Na base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS), o número de postos de trabalho paralisados subiu para 2.024. Por todo o país já são mais de 12 mil, entre agências e centros administrativos.

A greve, que teve início no último dia 06 de setembro vem se intensificando a cada dia, diante da postura intransigente da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que na rodada de negociação realizada ontem (13), não apresentou nova proposta, insistindo na manutenção da oferta rebaixada (7% de índice mais R$3,3 mil de abono), que imporia perdas de 2,39% à categoria.

Nesta quinta-feira (15), a representante dos bancos reúne-se novamente com o Comando Nacional dos Bancários às 16h, em São Paulo para dar continuidade ao processo de negociação.

“A expectativa do movimento sindical é de que amanhã a Fenaban finalmente apresente uma proposta condizente, que não imponha perda aos bancários, uma vez que nós deixamos bem claro na última reunião que não discutiremos proposta rebaixada”, explica Jeferson Boava, vice-presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) e membro do Comando Nacional dos Bancários.

Principais reivindicações

Reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização e melhores condições de trabalho, com destaque para a defesa do emprego e também das empresas públicas são algumas das principais reivindicações da categoria.

Foto: Seeb Guaratinguetá 

 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados