Dieese: Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

08.10.2020

Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, o DIEESE vem registrando predomínio do número de localidades com redução no custo do conjunto de produtos alimentícios essenciais. Em julho, 16 das 17 cidades pesquisadas apresentaram queda, com destaque para o Rio de Janeiro (-6,60%), Belo Horizonte (-5,86%) […]

Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, o DIEESE vem registrando predomínio do número de localidades com redução no custo do conjunto de produtos alimentícios essenciais. Em julho, 16 das 17 cidades pesquisadas apresentaram queda, com destaque para o Rio de Janeiro (-6,60%), Belo Horizonte (-5,86%) e para as capitais do Sul do país: Curitiba (-4,86%), Florianópolis (-4,75%) e Porto Alegre (-4,22%). Apenas em Belém (0,05%), houve pequena variação positiva.

Apenas duas cidades apresentaram variação negativa para os produtos essenciais, nos sete primeiros meses deste ano: Brasília (047%) e Rio de Janeiro (-0,12%). Os maiores aumentos ocorreram em Recife (17,23%), Goiânia (12,63%), Natal (12,29%) e João Pessoa (12,04%). Em 12 meses, Fortaleza  (-0,21%) e Vitória (-0,38%) registram variação acumulada negativa. Os maiores aumentos foram encontrados em Goiânia (9,96%), Manaus (8,16%) e Belém (6,75%).

A aquisição do conjunto de itens básicos em São Paulo custou R$ 239,38, o maior valor entre as localidades pesquisadas. Em Porto Alegre, o preço da cesta correspondeu a R$ 237,67 e, em Manaus, ficou em R$ 233,00. As cidades mais baratas foram Aracaju (R$ 181,04), Fortaleza (R$ 181,73), e João Pessoa (R$ 191,17).

Com base no maior valor apurado para a cesta e levando em consideração o preceito constitucional que estabelece que o salário mínimo deva suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o salário mínimo necessário. Em julho, o valor do mínimo foi calculado em R$ 2.011,03, o que corresponde a 3,94 vezes o mínimo em vigor, de R$ 510,00. Este valor é menor que o apurado para junho, quando o mínimo necessário foi estimado em 2.092,36 (4,10 vezes o piso em vigor), enquanto em julho de 2009, o DIEESE calculava o piso em R$ 1.994,82, ou 4,29 vezes o mínimo de então (R$ 465,00).  

Leia aqui o texto completo da cesta básica: cesta básica.pdf

Notícias Relacionadas

Semana reforçou a conscientização sobre o combate às LER/Dort

A data chama atenção para duas doenças que têm relação direta com o trabalho e que atingem milhões de brasileiros Nesta semana, no dia 28 de fevereiro (última quarta-feira) foi o Dia Mundial de combate às Lesões por Esforços Repetitivos (LER) e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort). A data foi escolhida pela Organização Internacional […]

Leia mais

COE e Itaú discutem revisões nos programas de remuneração

Durante a reunião foram apresentadas modificações nos programas. O movimento sindical deve elaborar contraproposta em breve  A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú realizou nesta quarta-feira (28), em São Paulo, uma reunião com a direção do banco para debater questões relacionadas à remuneração dos funcionários. Durante o encontro, o banco apresentou alterações nos […]

Leia mais

Trabalhadores discutem futuro da Fundação Itaú-Unibanco

Em seminário promovido pela Contraf-CUT e COE Itaú trabalhadores debateram caminhos para aumentar representatividade na gestão do fundo de pensão Trabalhadoras e trabalhadores associados à Fundação Itaú-Unibanco se reuniram, nesta quinta-feira (29), em um seminário organizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, […]

Leia mais

Sindicatos filiados