Editorial do Diário de Marília – Greve dos bancos: a quem interessa?

08.10.2013

O Sistema Bancário é importante porque é o elo de ligação da sociedade, praticamente tudo que se consome passa pelo setor bancário, este também emprega direta ou indiretamente milhares de pessoas. Com isso o segmento é uma das alavancas de uma sociedade. Por isso os mais de 15 dias de greve dos funcionários desta área […]

O Sistema Bancário é importante porque é o elo de ligação da sociedade, praticamente tudo que se consome passa pelo setor bancário, este também emprega direta ou indiretamente milhares de pessoas. Com isso o segmento é uma das alavancas de uma sociedade. Por isso os mais de 15 dias de greve dos funcionários desta área já deixam rastros de insatisfação dos usuários.

Os empregados deste setor têm que ter capacidade, paciência e muita calma, pois diariamente correm riscos e convivem com constante estresse, por isso é claro, deveriam ter mais valor, enfim, os bancários como todas as classes trabalhadoras, merecem mais atenção e respeito.

Entretanto, podemos nos questionar a quem interessa a greve. Interessa primeiro aos bancos, que quase nada perdem, continuam funcionado na maior porcentagem (os grandes clientes), não são abalados no varejo alto, estes usam a internet e quase não são atingidos no pequeno varejo, pois têm contratos com os Correios, as lotéricas, as lojas de departamentos e outras unidades de cobranças.

Aos bancos não interessa o fim do movimento, caem os seus custos e continuam os esticados lucros.

Também é vantajoso aos credores, os grandes clientes dos bancos, aqueles que vendem à prazo, uma vez que os consumidores que não tomam os devidos cuidados e devedores não quitando os seus débitos por falta de condições, serão castigados por exorbitantes taxas de juros.

Então, ganham os credores e os bancos em desfavor dos consumidores que sempre pagarão as contas.

Quem sai no prejuízo são os consumidores, que possuem o dinheiro na conta, possuem o recurso na mão e muitos não conseguem quitar os seus débitos por alguns motivos, em suma, são os grandes perdedores. Ainda mais quando a paralisação atinge o tão tumultuado quinto dia útil. Perdem também os pequenos comerciantes, os menores vendedores e a pequena economia de uma maneira em geral.

Porque as autoridades não partem em defesa dos consumidores, pressionando os dois polos positivos – os bancos e os fornecedores (credores) que são partes principais e mantêm contratos na condução de suas contas, de suas cobranças e dos seus movimentos? Porque não obrigam os bancos a pagarem as multas dos consumidores até o fim do movimento ou estes juros serem de responsabilidade dos bancos e dos fornecedores e não dos consumidores.

Pode se pensar que com esta conduta a greve dos bancários cessaria nas primeiras horas ou dias, quais seriam os bancos ou quais seriam os fornecedores ou credores que assumiriam tamanha fatura?

Com estas medidas não seriam punidos a razão de todos os segmentos, os consumidores, uma vez que na conduta atual, são os únicos violados.

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados