Em Campinas, bancários mantêm greve forte, com ampliação no terceiro dia

08.10.2015

211 locais de trabalho fechados A greve dos bancários dos setores público e privado permanece forte e ampliou hoje (8), terceiro dia, fechando 211 locais de trabalho, sendo 112 em Campinas e 99 em 32 das 37 cidades da base do Sindicato. E continua nesta sexta-feira, dia 9. Deflagrada após rejeição da proposta indecente da […]

211 locais de trabalho fechados

A greve dos bancários dos setores público e privado permanece forte e ampliou hoje (8), terceiro dia, fechando 211 locais de trabalho, sendo 112 em Campinas e 99 em 32 das 37 cidades da base do Sindicato. E continua nesta sexta-feira, dia 9.

Deflagrada após rejeição da proposta indecente da Fenaban, a greve ontem (7), segundo dia, envolveu bancários em 192 locais de trabalho (agências e departamentos): 103 em Campinas e 89 em 32 cidades da base; no primeiro dia (6), 159 locais de trabalho: 90 em Campinas e 69 em 30 cidades.No país, ontem (7) a greve atingiu 8.763 agências e centros administrativos; no primeiro dia, foram fechadas 6.251 agências, segundo balanço divulgado pela Contraf-CUT.

Em Campinas e Região a greve envolve bancários do Banco do Brasil, Caixa Federal, Itaú, Bradesco, Santander, HSBC, Safra, Losango e Citibank. Cabe destacar que a greve atinge setores importantes dos Bancos; entre eles, os prédios do BB no Bonfim (CSO, Gepes, CSL, PSO, entre outros departamentos) e Costa Aguiar (Gecex, entre outros departamentos), Caixa Federal Centro/Glicério, Empresariais 2 e 3 do Itaú Moraes Salles e Costa Aguiar, prédio central do Bradesco (Câmbio, Empresas, Plataforma. entre outros departamentos) e Santander Centro (Imobiliário, Câmbio, Plataforma PJ, entre outros departamentos).

Bancos lucram com a crise e propõem reajuste salarial abaixo da inflação

Após cinco rodadas de negociação, a Fenaban insultou a categoria bancária no último dia 25 de setembro ao propor reajuste de 5,5%, que sequer repõe a inflação dos últimos dozes meses, acumulada em 9,88%, e abono de R$ 2.500,00. Reunidos em assembleia no último dia 1º, os bancários rejeitaram a proposta e aprovaram deflagração de greve a partir do último dia 6 por tempo indeterminado. “Os Bancos reúnem todas as condições para atender as reivindicações dos bancários. No primeiro semestre deste ano, os cinco maiores Bancos registraram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões. E mais: lucram com a atual crise econômica vivida pelo país. De janeiro a julho deste ano, por exemplo, os mesmos cinco maiores Bancos ganharam R$ 109,6 bilhões com receitas de títulos, crescimento de 59% em relação ao mesmo período do ano passado. Além disso, retiram recursos da população através de taxas de juros astronômicas e tarifa abusivas”, avalia o presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região e integrante do Comando Nacional dos Bancários, Jeferson Boava. Só para ilustrar, as taxas de juros do cartão de crédito atingiram 403,5% ao ano; as taxas de cheque especial estão em 253,2%.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Campinas e Região
Foto: Júlio César Costa

Notícias Relacionadas

Feeb SP/MS participa de 51º Encontro Nacional CONTEC

Evento em Uberlândia debateu temas de interesse da categoria bancária e aprovou pautas de reivindicações para a Campanha Nacional dos Bancários. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, representada por seus sindicatos filiados, marcou presença no 51º Encontro Nacional Contec, realizado nos dias 20 e 21 de junho, […]

Leia mais

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Sindicatos filiados