Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

02.12.2020

Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, apresentaram recuo nos preços dos produtos alimentícios essenciais nesse início de 2012. As reduções foram apuradas em Porto Alegre (-0,81%) e em Vitória (-1,54%). Nas outras 15 localidades os preços […]

Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, apresentaram recuo nos preços dos produtos alimentícios essenciais nesse início de 2012. As reduções foram apuradas em Porto Alegre (-0,81%) e em Vitória (-1,54%). Nas outras 15 localidades os preços subiram, sendo que em sete cidades mais do que 3,00%: Brasília (4,72%), João Pessoa (3,90%), Florianópolis (3,51%), Rio de Janeiro (3,35%), Recife (3,32%), Curitiba (3,17%) e Aracaju (3,11%).
Em doze meses – entre fevereiro de 2011 e janeiro último – somente em Natal (-4,88%) houve queda. Os maiores aumentos ocorreram em Florianópolis (10,16%), Belo Horizonte (9,81%) e São Paulo (9,30%). Em nenhuma das capitais pesquisadas a alta anual dos preços dos gêneros essenciais foi maior do que o reajuste aplicado para o salário mínimo, de 14,13%.
 
A combinação entre a elevação de 2,98%, em janeiro, no preço da cesta em São Paulo e o recuo apurado em Porto Alegre ampliou a distância entre o preço das duas capitais onde os gêneros essenciais são mais caros. Em São Paulo o custo do conjunto de produtos de primeira necessidade chegou a R$ 285,54, enquanto na capital gaúcha o valor foi de R$ 274,63, bem
próximo do encontrado no Rio de Janeiro (R$ 271,71), em Florianópolis (R$ 271,64) e Vitória (R$ 271,16). Aracaju (R$ 187,88), João Pessoa (R$ 212,18) e Natal (R$ 213,63) registraram os menores preços.
Com o valor da cesta apurado na capital com o maior custo para os produtos básicos – que em janeiro, mais uma vez, foi São Paulo – o DIEESE estima mensalmente qual deveria ser salário mínimo necessário, levando em consideração o preceito constitucional que estabelece que o salário mínimo deve suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência.
Em janeiro, o salário mínimo necessário deveria ser de R$ 2.398,82, ou seja, 3,86 vezes o mínimo em vigor de R$ 622,00. Em dezembro o mínimo era estimado em R$ 2.329,35, que equivalia a 4,27 vezes o mínimo então vigente, de R$ 545,00. Em janeiro de 2011, quando o menor salário pago no país era R$ 540,00, o mínimo necessário foi estimado em R$ 2.194,76.
 
Cesta x salário mínimo 
Com o aumento de 14,13% no valor do salário mínimo a partir de janeiro, para comprar os gêneros alimentícios essenciais, o trabalhador que ganha salário mínimo precisou realizar, na média das 17 capitais pesquisadas pelo DIEESE, 87 horas e 06 minutos de trabalho, cerca de 10 horas a menos do que em dezembro de 2011, quando a jornada chegava a 97 horas e 22 minutos.
Em janeiro de 2011, o salário mínimo correspondia a R$ 540,00, e a mesma aquisição comprometia 95 horas e 03 minutos.
 
Quando a relação é feita com o salário mínimo líquido – após o desconto da parcela correspondente à Previdência – verifica-se que o trabalhador que ganha o piso comprometeu, em janeiro deste ano, 43,03% de seus vencimentos para comprar os mesmos produtos que em dezembro de 2011 demandava 48,11% do mínimo líquido, e que exigia 46,96%, em janeiro de 2011.
 
    
Veja, aqui, o texto completo.

Fonte: Dieese

 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados