Fenaban começa 4ª rodada sem proposta para aumento real

09.10.2020

Negociação continua nesta quinta-feira Durante a primeira parte da quarta rodada de negociação, iniciada na tarde desta quarta-feira, dia 15 de setembro, a Fenaban não apresentou nenhuma contraproposta para o índice de reajuste de 11% e afirmou que não fala em aumento real de salários e valorização dos pisos salariais. O argumento já era esperado […]

Negociação continua nesta quinta-feira
Durante a primeira parte da quarta rodada de negociação, iniciada na tarde desta quarta-feira, dia 15 de setembro, a Fenaban não apresentou nenhuma contraproposta para o índice de reajuste de 11% e afirmou que não fala em aumento real de salários e valorização dos pisos salariais. O argumento já era esperado diante da declaração do negociador da Fenaban, Magnus Apostólico, ao jornal O Globo, na edição do último sábado, dia 11: “11% de aumento é inviável. Essa proposta não tem viabilidade diante de uma inflação próxima de 4%. Temos que trazer esse número para a realidade”.
 
Para Aparecido Donizete Roveroni, diretor da Federação de SP e MS no Comando Nacional, “a realidade é que a economia do país só cresce e junto o lucro dos bancos também. É isso que viabiliza o nosso aumento real e pisos valorizados”, afirma Roveroni. Sobre a contraproposta de reajuste, os negociadores da Fenaban disseram que esta só será apresentada após uma discussão com os banqueiros, o que deve ocorrer somente na próxima semana.
 
Embora o Comando defendeu a importância da valorização do piso, hoje em R$ 1.074, considerado insuficiente para suprir as necessidades, como pagar faculdade, vestuário compatível com as exigências da empresa, a proposta foi negada. Os bancos avaliam que o piso hoje já é alto.
 
O debate sobre o PCCS para todos os bancários foi colocado na mesa e os bancos não concordam que este tema faça parte da convenção coletiva. Alegam que o tema é específico de cada banco. Apenas acenaram que é possível realizar um seminário conjunto com técnicos indicados pelos dois lados para debater o modelo de administração por competência utilizado pelos bancos.
 
Nesta quinta-feira, dia 16, os debates sobre o tema Remuneração continuam a partir das 10 horas com as seguintes reivindicações:
  • PLR de três salários mais R$ 4 mil;
  • Previdência complementar em todos os bancos;
  • Auxílio-refeição, cesta alimentação, 13ª cesta alimentação, auxílio-creche/babá de um salário mínimo (R$ 510);
  • 14º Salário.
  • Auxílio educação
  • Adicional de Risco de Vida
Susan Meire
Assessoria de Comunicação
Feeb SP MS
 

Notícias Relacionadas

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Feeb SP/MS monta grupo de trabalho para discutir metas com Banco Itaú

Prazo para organização de grupos de representação se encerrou no último dia 31 Bancários representados pela Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul formalizaram o pedido junto ao banco para montagem de um grupo de trabalho para discussão de metas. De acordo com a cláusula 87 da Convenção Coletiva […]

Leia mais

Sindicatos filiados