Fenaban começa 4ª rodada sem proposta para aumento real

09.10.2020

Negociação continua nesta quinta-feira Durante a primeira parte da quarta rodada de negociação, iniciada na tarde desta quarta-feira, dia 15 de setembro, a Fenaban não apresentou nenhuma contraproposta para o índice de reajuste de 11% e afirmou que não fala em aumento real de salários e valorização dos pisos salariais. O argumento já era esperado […]

Negociação continua nesta quinta-feira
Durante a primeira parte da quarta rodada de negociação, iniciada na tarde desta quarta-feira, dia 15 de setembro, a Fenaban não apresentou nenhuma contraproposta para o índice de reajuste de 11% e afirmou que não fala em aumento real de salários e valorização dos pisos salariais. O argumento já era esperado diante da declaração do negociador da Fenaban, Magnus Apostólico, ao jornal O Globo, na edição do último sábado, dia 11: “11% de aumento é inviável. Essa proposta não tem viabilidade diante de uma inflação próxima de 4%. Temos que trazer esse número para a realidade”.
 
Para Aparecido Donizete Roveroni, diretor da Federação de SP e MS no Comando Nacional, “a realidade é que a economia do país só cresce e junto o lucro dos bancos também. É isso que viabiliza o nosso aumento real e pisos valorizados”, afirma Roveroni. Sobre a contraproposta de reajuste, os negociadores da Fenaban disseram que esta só será apresentada após uma discussão com os banqueiros, o que deve ocorrer somente na próxima semana.
 
Embora o Comando defendeu a importância da valorização do piso, hoje em R$ 1.074, considerado insuficiente para suprir as necessidades, como pagar faculdade, vestuário compatível com as exigências da empresa, a proposta foi negada. Os bancos avaliam que o piso hoje já é alto.
 
O debate sobre o PCCS para todos os bancários foi colocado na mesa e os bancos não concordam que este tema faça parte da convenção coletiva. Alegam que o tema é específico de cada banco. Apenas acenaram que é possível realizar um seminário conjunto com técnicos indicados pelos dois lados para debater o modelo de administração por competência utilizado pelos bancos.
 
Nesta quinta-feira, dia 16, os debates sobre o tema Remuneração continuam a partir das 10 horas com as seguintes reivindicações:
  • PLR de três salários mais R$ 4 mil;
  • Previdência complementar em todos os bancos;
  • Auxílio-refeição, cesta alimentação, 13ª cesta alimentação, auxílio-creche/babá de um salário mínimo (R$ 510);
  • 14º Salário.
  • Auxílio educação
  • Adicional de Risco de Vida
Susan Meire
Assessoria de Comunicação
Feeb SP MS
 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados