Fórum Nacional de Saúde das Centrais Sindicais promove nesta sexta-feira, seminário sobre impacto das MPs

03.03.2015

O Seminário contará com a presença dos ministros Manoel Dias (Ministério do Trabalho e Emprego – MTE) e Carlos Gabas (Previdência Social) Seminário “Os impactos das Medidas Provisórias 664 e 665/14 nos Direitos Trabalhistas e Previdenciários”, acontece nesta sexta-feira (06) a partir das 09h30, no auditório do DIEESE – Rua Aurora, n º 957, República, […]

O Seminário contará com a presença dos ministros Manoel Dias (Ministério do Trabalho e Emprego – MTE) e Carlos Gabas (Previdência Social)

Seminário “Os impactos das Medidas Provisórias 664 e 665/14 nos Direitos Trabalhistas e Previdenciários”, acontece nesta sexta-feira (06) a partir das 09h30, no auditório do DIEESE – Rua Aurora, n º 957, República, São Paulo/SP.

Programação

Seminário:
Os impactos das Medidas Provisórias 664 e 665 /14 nos
Direitos Trabalhistas e Previdenciários
Data: 06 de Março
Local: Dieese, Rua Aurora, n º 957, República, São Paulo/SP.

Mesa da manhã – 09h30 às 13h00

Contextualização dos impactos Sociais e Econômicos das MPs 664 e 665 na perspectiva do sistema de Seguridade Social e dos Direitos Trabalhistas e Previdenciários.

CARLOS EDUARDO GABAS – Ministro da Previdência Social
MANOEL DIAS – Ministro do Trabalho e Emprego
Debatedores:
Eduardo Fagnani
Pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho
Clemente Ganz Lúcio
Diretor Técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico.

Maria Leonor Poço
Advogada Assessora Jurídica do Sindicato dos Bancários de São Paulo/SP

Sergio Pardal FREUDENTHAL
Advogado assessor Jurídico de Entidades Sindical de Trabalhadores

Aberta a palavra para a plateia

Encerramento.

Considerações sobre as MPs 664 e 665 de 2014

O Fórum Nacional de Saúde do Trabalhador das Centrais Sindicais reitera a exigência da imediata revogação das MPs 664 e 665/2014, pois não há dúvidas de que contrariam o próprio significado da seguridade social de assegurar condições dignas de sobrevivência em situações de vulnerabilidade, notadamente desemprego, doença e morte, conforme previsto na Constituição Federal.

Além disso, são inconstitucionais pela ausência dos requisitos para edição de Medidas Provisórias, urgência e relevância. As modificações apresentadas só poderiam ocorrer através de projeto de lei. Outras inconstitucionalidades também se apresentam, por exemplo, quando se descumpre a isonomia, que é um princípio básico.
A alegada redução de despesas apresenta um número final de 18 bilhões de reais, que carece de consistência e transparência.

Soma-se à retirada de direitos representada pelas alterações nas regras de seguro desemprego, abono salarial, seguro defeso e pensão por morte, o aprofundamento da vulnerabilidade dos trabalhadores adoecidos ao privatizar as perícias médicas; determinar um limite máximo de valor de benefício e ampliar o período de afastamento necessário para concessão.

Dentre outros, identificamos os seguintes problemas: Privatização das perícias médicas: A MP 664 retira o caráter público da perícia ao delegar aos empregadores a caracterização das incapacidades laborais de seus empregados e o nexo causal de acidentes e doenças do trabalho. Amplia, portanto, o poder patronal de controle dos processos de saúde e doença dos trabalhadores e consequentemente a subnotificação dos acidentes e doenças do trabalho.

Ampliação de 15 para 30 dias para concessão de benefício: Se por um lado aparentaria uma participação maior do patrão nos custos decorrentes das doenças, na realidade amplia o poder patronal sobre os trabalhadores adoecidos e/ou acidentados. Isso aumenta consideravelmente os ocultamentos de acidentes e doenças do trabalho e o despedimento do trabalhador em situação mais vulnerável, fazendo com que perca seus direitos trabalhistas e previdenciários, transferindo os custos para a sociedade. A subnotificação, o ocultamento e a descaracterização dos acidentes de trabalho decorrentes da ampliação desse período não permite um quadro claro sobre as condições de trabalho no Brasil, comprometendo a elaboração e execução de politicas de prevenção e promoção de saúde no trabalho, favorecendo políticas obstativas de direito como estabilidade de emprego e o depósito de FGTS durante o período de afastamento. Aspecto importante a ser destacado é que, como os trabalhadores adoecidos só serão encaminhados à previdência quando os afastamentos necessários à sua recuperação forem superiores a 30 dias , há maiores chances deles serem várias vezes afastados por períodos menores, o que poderia contribuir para a cronicidade das doenças o que coloca em dúvida a possibilidade de sua plena recuperação. Tal situação pode levar ao aumento significativo das aposentadorias por invalidez o que representará maior ônus tanto do ponto de vista social quanto econômico para o Estado.

Transferência, em sua totalidade, para a empresa dos exames médicos e o abono das faltas (art. 60, § 4º): A Constituição Federal faz menção expressa de que SAÚDE É DIREITO DO CIDADÃO E DEVER DO ESTADO. No entanto, tal norma pretende retirar dos trabalhadores este direito elementar de cidadania por omissão do Estado furtando-se da responsabilidade de cumprir o seu papel, e pior, pretende subordinar o direito de tratamento e de acesso aos serviços de saúde ao médico da empresa e aos interesses do empregador. Saliente-se que tal previsão além de violar a norma constitucional viola expressa e frontalmente a convenção 161 da OIT ratificada pelo Brasil, que por tratar-se de matéria de direitos humanos (direito à saúde) trata-se de norma supralegal.

Limite no valor do benefício: O auxílio doença é calculado em 91% da média dos maiores salários que representem 80% de todos de julho de 1994 até o início do benefício. O cálculo não foi modificado, porém incluíram um limite máximo para o benefício pela média dos últimos 12 salários. Significa que ocorrerão dois cálculos, prevalecendo o mais desfavorável ao trabalhador, inadmissível no Direito Social.

Tempo de carência: A função da Previdência Social é de prestar garantias aos trabalhadores. As novas carências impostas pelas MPs, inclusive nas pensões por morte, reproduzem a lógica das seguradoras privadas de condicionar os benefícios meramente às contribuições. O caráter contributivo da Previdência Social não deve equipara-la aos seguros privados, ou seja, não retira a obrigação do Estado de suprir os trabalhadores que se encontram em estado agudo de vulnerabilidade. Tais critérios impedem o acesso a benefícios de caráter de subsistência estritamente vinculados à preservação da dignidade humana.

Doenças pré-existentes: ainda na lógica das seguradoras privadas, as MPs reiteram propositalmente uma confusão entre existência da doença, incapacidade laboral e a qualidade de segurado. Buscam cada vez mais a negativa dos benefícios, arguindo a pré-existência da doença quando a incapacidade vem do agravamento, não raro, decorrentes das condições de trabalho, atuais ou no passado; como por exemplo, os cânceres ocupacionais que se manifestam 20 ou mais anos após o tempo de exposição aos agentes nocivos.

Pensão por morte: Quanto ao beneficio pensão por morte a MP 664/2014, extrapola em inconstitucionalidades, criando casamentos de segunda e de primeira classe, reduzindo em demasia a possibilidade de sobrevivência dos dependentes do segurado e criando um quadro de períodos máximos de recebimento de benefícios absolutamente indefensável. Se o auxilio doença para acidente de qualquer natureza não tem período de carência, a pensão por morte também não poderia ter em qualquer hipótese. Doença, invalidez ou morte são situações que exigem proteção imediata e sem restrições.

O governo justifica a edição das MPs sob alegação de distorções e fraudes, passando a ideia de que os trabalhadores são os responsáveis por estas irregularidades. As centrais sindicais repudiam a tentativa de marginalização, restringindo a proteção social dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, com o objetivo de reduzir o déficit primário.

Destaque-se que a classe trabalhadora é responsável pela produção da riqueza do País e pela manutenção dos sistemas previdenciários.

 

Notícias Relacionadas

Caixa paga PLR

Representantes dos empregados da Caixa se reuniram nesta quinta (23) com a entidade, no primeiro encontro da mesa permanente de negociação em 2023. O evento aconteceu de maneira presencial, em São Paulo, logo após a live do balanço do 4º trimestre de 2022. O representante da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e […]

Leia mais

Participante do SantanderPrevi poderá acessar saldo por aplicativo

A diretoria do banco Santander informou aos participantes do SantanderPrevi, que os saldos a partir de agora  já podem ser acessados também no aplicativo do banco, ou seja, além do portal www.santanderprevi.com.br, os participantes terão nova opção de acesso. “É positiva a extensão de possibilidades de acesso à consulta da previdência, isso demonstra mais transparência […]

Leia mais

Santander informa alteração na nomenclatura dos cargos

Informação foi transmitida para os representantes dos trabalhadores Representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) Santander foram convocados pelo banco para uma reunião emergencial, que ocorreu na manhã desta quarta-feira (22).  Na ocasião, responsáveis pelo setor de recursos humanos do banco, informaram que o Santander fará alteração na nomenclatura dos cargos. A nova nomenclatura […]

Leia mais

Sindicatos filiados