Governo quer abrir o capital da área de seguros da Caixa

08.04.2015

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou nesta quarta-feira, 8, que a Caixa Econômica Federal vai abrir o capital da área de seguros do banco estatal. O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, antecipou a informação no dia 6 de fevereiro deste ano. "A Caixa continua 100% pública. Vamos estudar a possibilidade de […]

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou nesta quarta-feira, 8, que a Caixa Econômica Federal vai abrir o capital da área de seguros do banco estatal. O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, antecipou a informação no dia 6 de fevereiro deste ano.

"A Caixa continua 100% pública. Vamos estudar a possibilidade de fazer abertura de capital de todas as participações que a Caixa tem na área de seguros", afirmou Miriam Belchior, presidente da Caixa Econômica Federal.

O ministro quis acelerar a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) da área de seguros porque uma oferta pública da instituição financeira de forma unificada, embora mais atraente, só ficará para o ano que vem.

A opção por "fatiar" foi a forma como o governo conseguiu para reforçar as contas neste momento em que a equipe econômica enfrenta uma dificuldade ainda maior para cumprir a meta de superávit primário fixada em R$ 66,3 bilhões para 2015.

O Tesouro Nacional tem 100% do capital do banco. Depois desse início de ano difícil por conta do impacto da operação Lava Jato que investiga corrupção na Petrobrás, a avaliação é de que o cenário vai desanuviar a partir do segundo semestre com os primeiros resultados do trabalho de ajuste e busca de confiança que está sendo feito pelo ministro Levy.

Miriam afirmou que o modelo desse IPO vai ser o mesmo da abertura de capital da BB Seguridade. Feito em 29 de abril de 2013, a oferta inicial de ações da BB Seguridade arrecadou R$ 11,5 bilhões, o maior valor atingido por uma empresa brasileira desde 2009. A ideia seria repetir esse mesmo sucesso com a área de seguros da Caixa, união entre a Caixa e a francesa CNP Assurances.

Os sócios franceses eram contrários à abertura de capital da Caixa Seguradora. "Não se faz um IPO porque se precisa de dinheiro", afirmou o presidente Thierry Claudon, quando questionado se o governo não poderia acelerar a operação para fazer caixa e cumprir a meta de superávit primário (economia para o pagamento dos juros da dívida). "Pode se ganhar muito mais dinheiro com os novos negócios, como com essa empresa que vamos lançar", afirmou.

O ministro Levy minimizou a resistência da estatal francesa CNP. "Se o negócio expandir, só vejo que será bom para os franceses", disse. A parceria entre Caixa e CNP Assurances foi firmada em 2001. Até 2021, a francesa tem a exclusividade de vender os produtos nas agências e com os correspondentes da Caixa.

Thierry lembra que quando adquiriu 51% das ações da Caixa Seguradora, em 2001, por meio de uma licitação – o controle majoritário era da Funcef, fundo de pensão dos funcionários do banco – a CNP pagou US$ 538 milhões pelo negócio firmado entre os dois país, uma vez que a empresa francesa é uma estatal. O montante chegou a impactar o resultado da balança comercial brasileira.

Hoje, a operação brasileira é a segunda mais importante da CNP no mundo, atrás apenas da unidade francesa. A Caixa Seguradora é a terceira do setor, mas afirma ser a mais rentável e enxuta empresa do segmento.

Fonte: Estadão

Notícias Relacionadas

Falaban de segunda-feira (02) irá esclarecer dúvidas sobre a Contribuição Negocial, não perca!

O Falaban desta segunda-feira, 02, irá receber o Davi Zaia, que é presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul. O bate-papo será para esclarecer dúvidas sobre a Contribuição Negocial. Transmitido, às 19h, o programa é apresentado pelo presidente do Sindicato dos Bancários de Sorocaba e Região, Júlio Cesar Machado. […]

Leia mais

Empregados negociam e Caixa apresenta proposta indecente para retorno de designações de funções de caixa e tesoureiro

Entre as imposições estão redução de jornada, salário dos tesoureiros de oito para seis horas e pagamento do adicional de quebra de caixa apenas para empregados que não recebem gratificação de função Membros da Comissão Executiva dos Empregados (CEE) do banco estiveram reunidos nesta quinta-feira (28) com representantes do banco para mais uma rodada de […]

Leia mais

Representantes da Feeb SP/MS participam de negociação sobre metas com Comando Nacional

Apesar de prevista na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), alguns bancos ainda não pautaram o tema  O Comando Nacional dos Bancários e as Comissões de Organização dos Empregados (COEs) se reuniram nesta quarta-feira (27) para organizar as ações e dar andamento às resoluções aprovadas na 25ª Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro. A Federação […]

Leia mais

Sindicatos filiados