Governo quer usar Banco do Brasil e Caixa para forçar queda dos juros

02.12.2020

Após turbinar a oferta de empréstimos no fim de 2011, a equipe econômica agora quer diminuir a margem que essas instituições cobram nas operações BRASÍLIA – O governo sentou-se à mesa com os bancos públicos nos últimos dias para a segunda etapa do plano de aumento do crédito e incentivo à economia.  Após turbinar a […]

Após turbinar a oferta de empréstimos no fim de 2011, a equipe econômica agora quer diminuir a margem que essas instituições cobram nas operações

BRASÍLIA – O governo sentou-se à mesa com os bancos públicos nos últimos dias para a segunda etapa do plano de aumento do crédito e incentivo à economia.  Após turbinar a oferta de empréstimos no fim de 2011, a equipe econômica agora quer diminuir a margem que essas instituições cobram nas operações, o chamado spread bancário.

Com a aposta de que Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal podem liderar o movimento, o governo reforçou o pedido para que esses bancos diminuam o spread e, assim, incentivem concorrentes privados a realizarem o mesmo.

Fontes do governo e dos bancos afirmam ao Estado que a direção do BB e da Caixa tem se reunido com representantes do Ministério da Fazenda para tentar uma ação coordenada de redução dessa margem. A intenção é costurar plano semelhante ao executado na crise de 2008 e 2009, quando instituições públicas reduziram spreads e juros, ganharam clientes, impulsionaram a economia e, ainda, foram seguidos pelos concorrentes.

Um dos objetivos é reduzir as margens em operações que possam incentivar o consumo das famílias. No governo federal, há incômodo com o fato de que, apesar da queda da taxa básica de juro (Selic) desde agosto do ano passado, alguns spreads aumentaram expressivamente nesse período.

Entre essas linhas que sofreram com aumento das margens está o financiamento de loja – diretamente ligado ao consumo de eletrodomésticos e têxteis, por exemplo -, que apresentou elevação nos últimos meses de 2011. A piora da inadimplência nessas operações é a explicação dos bancos para o movimento.

Ao governo, incomoda ainda mais saber que até os bancos públicos aumentaram suas margens no fim do ano passado. No Banco do Brasil, por exemplo, o último trimestre de 2011 terminou com spread médio de 15,5 pontos porcentuais nos financiamentos a pessoa física, ante 14,9 pontos no trimestre anterior.

Isso quer dizer que, se o banco captou recursos pagando, por exemplo, um juro de 5%, na hora de emprestar para seu cliente, a taxa cobrada foi de 25,5%. Na média do banco federal quando somados os financiamentos para famílias, empresas e agronegócio a margem subiu de 8,8 pontos no terceiro trimestre para 9 pontos no fim do ano passado.

Diante da pressão do Palácio do Planalto e da Fazenda, bancos públicos têm tentado "mostrar serviço" desde o fim do ano passado. Como o Estado noticiou em janeiro, o BB e a Caixa aumentaram a oferta de crédito nos últimos meses de 2011, seguindo um plano da equipe econômica e chancelado pela presidente Dilma Rousseff.

Mas o governo entende que, agora, é preciso dar outro passo com o ataque aos spreads.

No mercado bancário, há a percepção de que, por ora, o movimento dos bancos públicos ainda não foi seguido pelos privados, que continuam cautelosos. Nos concorrentes, prevalece a preocupação com a alta da inadimplência, especialmente na categoria de pessoas físicas.

Fonte: Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados