Greve atinge 18 agências do BB em Campinas e Americana

30.04.2013

A greve nacional de 24h, deflagrada hoje (30/04) contra o descaso do Banco do Brasil em negociar o novo plano de funções comissionadas, envolve a maioria dos funcionários de 18 agências (e departamentos) na base do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, sendo 16 em Campinas e duas em Americana. Diante da disposição de […]

A greve nacional de 24h, deflagrada hoje (30/04) contra o descaso do Banco do Brasil em negociar o novo plano de funções comissionadas, envolve a maioria dos funcionários de 18 agências (e departamentos) na base do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, sendo 16 em Campinas e duas em Americana. Diante da disposição de luta dos bancários, a diretoria do BB orientou os gestores a chamarem a polícia, visando abrir as agências na força. “É truculência pura. O BB foge da negociação e, frente a resistência dos funcionários, que estão mobilizados, manda chamar a polícia. A intransigência é hoje o fio condutor das ações da diretoria do BB. A greve é um direito constitucional e o Sindicato está nas agências para garantir a paralisação e defender os bancários. Não será com medidas intimidatórias, ameaças, que o BB vai resolver o problema que criou ao impor o novo plano em janeiro deste ano”, avalia o presidente do Sindicato e integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários (CEE), Jeferson Boava.

Aprovada pelos funcionários em assembleia realizada no último dia 25, na sede do Sindicato, a greve de 24h tem como objetivo intensificar a mobilização, demonstrar que os funcionários estão dispostos a lutar em defesa de seus direitos. “Antes de mais nada, não podemos perder o foco na principal questão, que é a jornada de 6h para todos. O novo plano não caiu do céu; é resultado da mobilização pelo cumprimento da jornada da categoria para todos os funcionários. Só que a diretoria incluiu várias ‘maldades’ no pacote denominado Plano de Funções de Confiança e de Funções Gratificadas. Entre as ‘maldades’, reduziu salários nas funções de 6h e as gratificações de função de todos os comissionados. O que é inaceitável. É necessário ajustes, correções. Porém, o BB não quer dialogar. A greve é um dos mecanismos para forçar a abertura de negociação”, reafirma o presidente do Sindicato.

Agências fechadas

Campinas: Centro, Glicério, Dr. Quirino, Carlos Gomes/GERAT, Cambuí, Norte-Sul, Barão de Itapura, Taquaral, Paula Bueno, Unicamp, Barão Geraldo/Sta Genebra, Sales de Oliveira, Amoreiras/Anhanguera, Trevo, Bonfim e Conceição.
Americana: Praça 15 de Novembro e Rua 12 de Novembro.

Fonte: Seeb Campinas 

Notícias Relacionadas

Bancários criam Comitê de Luta durante Congresso Nacional

Comitê nacional lutará para defender o BB como instituição pública e em apoio a projeto de Governo que fortaleça o banco e sua função social, de indutor do crescimento econômico com geração de emprego e renda O papel do Banco do Brasil na reconstrução do país foi um dos temas em destaque no 33° Congresso […]

Leia mais

Coe Itaú entrega pauta de reivindicação específica ao Banco

O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú Os representantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) Itaú entregaram nesta quinta-feira (23), a pauta de reivindicação específica do banco. O documento é resultado do Encontro Nacional dos Bancários do Itaú. “Reafirmamos o nosso compromisso com o banco de negociação permanente, através da […]

Leia mais

Campanha Nacional: Bancários definem temas das próximas negociações com os bancos

Demissão em massa pelo Mercantil do Brasil no Rio de Janeiro; abono do banco de horas negativas e retirada de pauta do PL 1043/2019, também foram pautas do primeiro dia de negociação O Comando Nacional dos Bancários definiu nesta quarta-feira (22), os temas das reuniões de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os […]

Leia mais

Sindicatos filiados