Greve completa dois dias e cresce 40% no país, diz confederação de bancários

08.10.2015

A greve dos bancários entra nesta quinta-feira (8) em seu terceiro dia e atingiu 8.763 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados de todo o país ontem (quarta), segundo informa a Contraf-CUT. Se considerado o dado divulgado pela entidade na terça, o número representa aumento de 40% em relação à primeiro dia de […]

A greve dos bancários entra nesta quinta-feira (8) em seu terceiro dia e atingiu 8.763 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados de todo o país ontem (quarta), segundo informa a Contraf-CUT.

Se considerado o dado divulgado pela entidade na terça, o número representa aumento de 40% em relação à primeiro dia de movimento (6.251 agências). O Brasil tem 23.110 agências de acordo com o Banco Central.

A paralisação ocorre em 26 Estados e no Distrito Federal para pedir reajuste de salarial de 16%. Os bancos ofereceram 5,5% de reajuste com R$ 2.500 de abono fixo, mas a proposta foi rejeitada.

A Fenaban, federação que representa os bancos, não divulga o nível de adesão nem atividades afetadas pela greve.

Em São Paulo, o sindicato informa ter paralisado 616 locais, sendo 23 centros administrativos e 593 agências. Na terça pararam 18 centros e 582 agências.

A adesão passou de 38 mil funcionários para 50 mil, segundo informou o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região.

ESTRATÉGIA

A estratégia definida para o movimento grevista deste ano —de atingir os centros administrativos dos bancos e não somente agências— foi mantida e ampliada.

No segundo dia de greve, além de operações de câmbio, arrecadação e foram paralisados prédios onde funcionam call centers de alguns bancos, como o Santander. O banco não comenta.

São 500 mil bancários em campanha salarial no país, sendo 142 mil representados pelo sindicato de São Paulo.

Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT, diz que os bancários querem manter "o modelo de negociação que deu certo nos últimos onze anos, que é a reposição da inflação, mais ganho real".

A proposta de reajuste feita pelos bancos é de 5,5% de reajuste, enquanto a inflação acumulada em 12 meses encerrados em é de 9,885 (INPC)

"Os banqueiros querem voltar a um desenho com um índice menor que a inflação mais um abono. Esse formato, que traz redução de salário, foi derrotado nos anos 90. Isso é um retrocesso que não vamos admitir", disse o presidente da confederação.

Em nota enviada na ocasião da aprovação da greve, na semana passada, a Fenaban (Federação Nacional de Bancos) informou que a proposta feita "visa compensar perdas decorrentes da inflação passada, sem contaminar os índices futuros, o que iria contra os esforços do governo para reequilibrar os fundamentos macroeconômicos".

Destaca ainda que a proposta da federação mantém o poder de compra médio da categoria nos últimos doze meses e que, desde 2004, houve um processo de aumento real dos salários dos bancários sem interrupção.

"O reajuste de 5,5% está em linha com a expectativa de inflação para os próximos 12 meses. Índices acima das expectativas de inflação podem contribuir para maior dificuldade na queda dos índices inflacionários", informa a nota.

Além do reajuste salarial, os bancários receberiam participação de 5% a 15% dos lucros dos bancos. De acordo com os bancos, essa fórmula de distribuição do lucro, aplicada, por exemplo, ao salário de um caixa bancário, de R$ 2.560,00, pode garantir o equivalente a até quatro salários.

Os bancos ofereceriam ainda um abono de R$ 2,5 mil que seria distribuído igualmente para toda a categoria dos bancários sem ser incorporado aos salários.

GREVES ANTERIORES

No ano passado, os bancários receberam aumento real (acima da inflação) de 2,02%, após uma greve de cinco dias.

A categoria recebeu aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014.

A paralisação mais longa foi em 2004, quando a categoria parou por 30 dias.

AS REIVINDICAÇÕES DOS BANCÁRIOS

> Reajuste Salarial de 16%, sendo 5,7% de aumento real, com inflação de 9,88% (INPC)

> Participação nos Lucros e Resultados no valor de três salários mais R$ 7.246,82 fixos

>Piso de acordo com salário mínimo do Dieese, de R$ 3.299,66

>Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor do salário mínimo nacional (R$ 788);

>14º salário

>Fim das demissões, ampliação das contratações, combate às terceirizações e à precarização das condições de trabalho

>Mais segurança nas agências bancárias

Fonte: Folha de São Paulo

Notícias Relacionadas

Feeb SP/MS participa de 51º Encontro Nacional CONTEC

Evento em Uberlândia debateu temas de interesse da categoria bancária e aprovou pautas de reivindicações para a Campanha Nacional dos Bancários. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, representada por seus sindicatos filiados, marcou presença no 51º Encontro Nacional Contec, realizado nos dias 20 e 21 de junho, […]

Leia mais

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Sindicatos filiados