Greve dos bancários é necessária para impedir retrocessos e honra histórico de luta da categoria – por *Davi Zaia

09.10.2015

A greve nacional dos bancários começou bastante forte, com a adesão em massa da categoria. Só na base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, os trabalhadores resolveram cruzar os braços em mais de 1.700 agências no terceiro dia de paralisação; foram cerca de 1.200 no primeiro dia e mais […]

A greve nacional dos bancários começou bastante forte, com a adesão em massa da categoria. Só na base da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, os trabalhadores resolveram cruzar os braços em mais de 1.700 agências no terceiro dia de paralisação; foram cerca de 1.200 no primeiro dia e mais de 1.500 no segundo, o que demonstra que a participação só vem aumentando.

Estes números evidenciam também a união da categoria, que é uma das mais organizadas do país, e o descontentamento com os banqueiros que de forma desrespeitosa apresentaram como proposta, um pífio reajuste de 5,5%, índice que sequer repõe as perdas inflacionárias e mais um abono de R$ 2,5 mil, valor que não se incorpora ao salário, uma medida de caráter imediatista e que nem de longe pode ser considerada parte de um bom acordo, já que regride a negociação aos níveis de 10 anos atrás, impondo retrocesso às conquistas dos trabalhadores.

A greve é também uma resposta às pressões para o cumprimento de metas abusivas, contra o assédio moral, que tem levado os bancários ao adoecimento e contra a falta de segurança a que ficam expostos.

O engajamento massivo dos bancários na greve representa um recado muito claro de insatisfação com a falta de valorização e de sensibilidade por parte dos empregadores que não percebem que salário decente, que contemple a reposição das perdas é um direito, assim como a paralisação como forma de luta por uma remuneração mais justa e melhores condições de trabalho, também o é.

A greve dos bancários representa uma resposta à altura, reafirmando a força da categoria e honrando seu histórico de resistência e luta para impedir retrocessos e desrespeitos contra os trabalhadores.

*Davi Zaia – Sindicalista, presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) e Deputado Estadual pelo PPS.

 

Notícias Relacionadas

Feeb SP/MS participa de 51º Encontro Nacional CONTEC

Evento em Uberlândia debateu temas de interesse da categoria bancária e aprovou pautas de reivindicações para a Campanha Nacional dos Bancários. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, representada por seus sindicatos filiados, marcou presença no 51º Encontro Nacional Contec, realizado nos dias 20 e 21 de junho, […]

Leia mais

Trabalhadores do Itaú entregam pauta específica de reivindicações no dia 25

Documento é resultado do encontro nacional, realizado em São Paulo, no dia 6 de junho A Comissão de Organização dos Empregados (COE) vai entregar a minuta específica de reivindicações ao Itaú na próxima terça-feira (25). O documento servirá de base para a renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) específico do banco. As reivindicações foram […]

Leia mais

Intransigência da Caixa encerra negociações sobre redução de jornada para pais/mães e responsáveis por PcD e neurodivergentes (TEA)

Banco retira da proposta a concessão para empregados PcD, impõe uma série de travas para permitir a redução da jornada para pais/mães/responsáveis de PcD e encerra mesa de negociações após receber questionamentos sobre pontos sensíveis da proposta A reunião que negociaria a redução de jornada para empregadas e empregados da Caixa Econômica Federal com deficiência […]

Leia mais

Sindicatos filiados