Grupo de Trabalho (GT) bipartite de segurança bancária é instaurado

13.06.2023

Fenaban insiste na redução dos sistemas de segurança Representantes do Comando Nacional dos Bancários se reuniram ontem (12), com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), para dar continuidade à instalação do Grupo de Trabalho (GT) bipartite para avaliar os dados estatísticos, bem como a possibilidade de acordo acerca de adoção de dispositivos de segurança bancária. […]

Fenaban insiste na redução dos sistemas de segurança

Representantes do Comando Nacional dos Bancários se reuniram ontem (12), com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), para dar continuidade à instalação do Grupo de Trabalho (GT) bipartite para avaliar os dados estatísticos, bem como a possibilidade de acordo acerca de adoção de dispositivos de segurança bancária. A constituição do GT está garantida na Convenção Coletiva do Trabalho (CCT) dos bancários, conquista da Campanha Nacional dos Bancários 2022.

A Fenaban repetiu a postura apresentada na Campanha Nacional e, com a afirmação de que houve redução no número de assaltos a agências e postos bancários de 2000 a 2021, propôs que a representação dos trabalhadores se juntem aos bancos e atuem contra as normas estaduais e municipais de segurança, que exigem aparatos de segurança além dos previstos na Lei 7.102/1983, que regulamenta a segurança bancária.

O movimento sindical considerou a proposta inoportuna e reforçou a urgência da garantia dos aparatos de segurança e vigilantes com a finalidade de impedir a retomada da violência. “Não podemos colocar em risco a categoria e os clientes. O que estiver ao alcance dos bancos deve ser feito para evitar violências futuras. Os bancos devem ser um local onde as pessoas se sintam seguras para receber os serviços necessários. Muitos ainda sentem dificuldade em lidar com a internet e optam pelo atendimento presencial, a sensação de segurança ao usuário é imprescindível e não podemos retroceder”, disse Reginaldo Breda, secretário geral e representante da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Os representantes dos bancários lembraram, ainda, que a retirada de portas de segurança e de vigilantes das agências bancárias desrespeita legislações específicas de estados e municípios. Dirigentes ressaltaram a existência de decisões judiciais que condenam os bancos a pagarem multas pelo descumprimento das leis.

Levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), aponta que, ainda que em números relativos as transações via agências tenham perdido espaço, 48% delas são com movimentação financeira e que isso demonstra a importância de haver sistemas de segurança e vigilantes em qualquer tipo de agência bancária.

Os representantes citaram, também, os riscos nas unidades de negócios e a falta de negociação com o movimento sindical. “Ressaltamos a necessidade da negociação coletiva. Não somos contra os novos modelos de agências, mas queremos buscar soluções em conjunto com o banco”, disse Breda.

Feeb SPQMS, com informações Contraf/Cut

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados