HSBC reafirma venda e nega demissões em massa

11.06.2015

Reuniões quinzenais de acompanhamento O HSBC reafirmou ontem (10), em reunião com os sindicatos dos bancários de São Paulo e Curitiba, a Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) e a Contraf-CUT, na capital paulista, que tem a intenção de vender seus ativos no país, […]

Reuniões quinzenais de acompanhamento

O HSBC reafirmou ontem (10), em reunião com os sindicatos dos bancários de São Paulo e Curitiba, a Federação dos Empregados em Estabelecimentos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB-SP/MS) e a Contraf-CUT, na capital paulista, que tem a intenção de vender seus ativos no país, mas negou demissões em massa. ”Os representantes do HSBC, Marino Rodília, diretor de Relações Trabalhistas e Juliano Marcílio, diretor de RH, confirmaram a pretensão de entregar o Banco, ao futuro controlador, operando, sem redução do grau de maturidade e eficiência da equipe”, destaca o presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região e secretário-geral da FEEB-SP/MS, Jeferson Boava, que participou da reunião. Após esclarecimentos, ficou acordada com o HSBC a realização de reuniões quinzenais com os sindicatos para acompanhamento do processo de venda, que deve ser transparente.

A reunião ocorrida ontem foi marcada na terça-feira (9), logo após a matriz do HSBC anunciar mudança estratégica no seu modelo de negócios no Brasil, confirmando que pretende vender sua operação no país. O anúncio foi feito em Londres pelo CEO do Grupo, Stuart Gulliver, durante apresentação da Atualização da Estratégia do HSBC para investidores. Em seguida, a grande imprensa brasileira publicou informações sobre o encerramento das atividades do banco inglês no país e demissões de até 50 mil pessoas em todo o mundo. O presidente do HSBC Brasil, André Brandão, em nota aos funcionários, divulgada na terça-feira, negou o encerramento das atividades no país.

Para o presidente do Sindicato, Jeferson Boava, a venda do HSBC não pode gerar clima de insegurança, intranquilidade nos locais de trabalho, como o ocorrido anteontem, após a grande imprensa noticiar as declarações do presidente mundial da instituição financeira inglesa. “O Sindicato vai acompanhar de perto todo o processo de venda e está ao lado dos funcionários, defendendo sempre a manutenção do nível de emprego, seja perante o HSBC, ou ao novo controlador”.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Campinas e Região

 

Notícias Relacionadas

Eleições Economus – Ainda dá tempo de votar!

Passamos da metade do período do pleito, que vai eleger dois membros ao conselho deliberativo e um membro ao conselho fiscal do Economus. Até esta sexta-feira (19), 28% dos eleitores haviam exercido o direito ao voto. A Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul (FEEB SP/MS) e seus sindicatos […]

Leia mais

Banco do Brasil aprova atualização da Tabela PIP para beneficiar trabalhadores do Previ Futuro

Mudança na Pontuação Individual do Participante permite aumento na contribuição adicional e soma mais recursos para a aposentadoria, atendendo a antiga reivindicação dos funcionários O Banco do Brasil aprovou as mudanças na Tabela PIP (Pontuação Individual do Participante), uma reivindicação antiga dos trabalhadores, que permitirá aumentar a contribuição adicional para a aposentadoria. O anúncio foi […]

Leia mais

Eleições da Funcef: votação segue até sexta-feira (19)

Participantes da ativa e assistidos dos planos de previdência podem votar até sexta-feira (19), mas a orientação é não deixar para a última hora Teve início nesta terça-feira (16), a votação para as Eleições Funcef. Participantes dos planos de previdência da Funcef podem votar para definir quem vai ocupar a diretoria de Administração e Controladoria, […]

Leia mais

Sindicatos filiados