HSBC teve o maior número de reclamação em novembro, diz BC

17.12.2013

Em novembro, o HSBC foi o banco com mais de um milhão de clientes com maior índice de reclamações no ranking mensal das instituições financeiras mais reclamadas do Banco Central (BC). Entre os bancos com menos de um milhão de clientes o líder foi o Societe Generale, que sequer estava no top 5 em outubro. […]

Em novembro, o HSBC foi o banco com mais de um milhão de clientes com maior índice de reclamações no ranking mensal das instituições financeiras mais reclamadas do Banco Central (BC). Entre os bancos com menos de um milhão de clientes o líder foi o Societe Generale, que sequer estava no top 5 em outubro.

Entre os bancos grandes, o Santander, que liderou o ranking no mês passado, caiu para a segunda posição, enquanto o HSBC subiu da segunda para a primeira colocação. Itaú Unibanco e Banco do Brasil apenas trocaram de posições, e a Caixa permaneceu no quinto lugar.

No ranking dos bancos médios, o Conglomerado Bonsucesso, que liderou a lista no mês passado, caiu para a segunda posição. O BMG caiu do segundo para o terceiro lugar, o BNP Paribas subiu do quinto para o terceiro e o Banco Pan permaneceu em quarto lugar. O Banco Daycoval, que estava no quinto lugar, saiu do top 5.

Para elaborar o ranking, a autoridade monetária recebe as queixas dos clientes e analisa se houve descumprimento das normas do Conselho Monetário Nacional (CMN). Dessa forma, essa lista considera apenas as reclamações procedentes.

Foram registradas 2.009 reclamações procedentes entre os bancos grandes em novembro, 191 queixas a mais do que em outubro. As principais queixas foram sobre a realização de débitos na conta sem autorização do cliente e sobre cobrança de tarifas de forma irregular.

Ainda ontem, o Lloyds, tradicional banco comercial inglês com mais de 300 anos, anunciou que uma mulher ocupará o cargo de chefia pela primeira vez em sua história.
A partir de janeiro, Inga Beale, de 50 anos, será a nova presidente-executiva do banco, substituindo Richard Ward, que por oito anos atuou na posição e em julho deixou o posto.
Recentemente, circulou no mercado que Ward assumirá, em fevereiro do ano que vem, o posto de presidente do conselho no Brit Insurance, grupo internacional especializado em seguros comerciais.

Por meio de nota divulgada ontem, a executiva disse que o Lloyds já é um líder internacional, mas que há grandes chances de a empresa expandir seus negócios e se firmar de uma vez por todas como o centro mundial de seguros especializados.

"Estou ansiosa para trabalhar com a equipe e oferecer a esse mercado mais amplo uma estratégia de crescimento rentável e sustentável", afirmou a futura presidente, por meio de comunicado oficial.  

Fonte: DCI 

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados