Idade mínima para aposentadoria de mulheres será de 62 anos, diz relator

18.04.2017

Reforma da Previdência e os principais pontos GUSTAVO URIBE DANIEL CARVALHO LAÍS ALEGRETTI DE BRASÍLIA O relator da reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), definiu que adotará uma idade mínima de 62 anos para as mulheres no relatório final da proposta de mudança nas aposentadorias. A escolha foi anunciada em café da manhã do presidente […]

Reforma da Previdência e os principais pontos

GUSTAVO URIBE
DANIEL CARVALHO
LAÍS ALEGRETTI
DE BRASÍLIA

O relator da reforma da Previdência, Arthur Maia (PPS-BA), definiu que adotará uma idade mínima de 62 anos para as mulheres no relatório final da proposta de mudança nas aposentadorias.

A escolha foi anunciada em café da manhã do presidente Michel Temer com a base aliada nesta terça-feira (18). A definição atende a apelo da bancada feminina, que pressionou o peemedebista por uma diferenciação em relação à idade masculina de 65 anos.

A diminuição representa um novo recuo do governo na reforma previdenciária, já que o discurso inicial era de que a idade mínima para homens e mulheres era um dos pontos que não poderia ser alterado pelo Congresso Nacional.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA
As mudanças propostas na aposentadoria

Em entrevista à Folha, o presidente já havia admitido a possibilidade de redução da idade mínima para as mulheres. "Se tivermos a idade de homem de 65 anos e a de mulher, 64 ou 63, não significa que não tenha sido feita uma grande conquista", disse.

Com a discussão sobre a idade mínima da mulher, o presidente da comissão especial da reforma previdenciária, Carlos Marun (PMDB-MS), adiou para quarta-feira (19) a leitura do relatório final.

Segundo ele, o relator da iniciativa, Arthur Maia (PPS-BA), pediu um tempo maior para fazer os cálculos do impacto da alteração. O adiamento foi definido em acordo com Temer e com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

A leitura do documento foi remarcada para as 9h da quarta-feira (19). Para Marun, o adiamento não causa impactos no cronograma de votação da proposta, uma vez que a expectativa é de que o documento seja votado na comissão especial apenas na semana que vem.

De acordo com o peemedebista, além da necessidade de novos cálculos para introduzir a mudança, 5% do relatório ainda não está pronto. Mesmo assim, Temer manteve nesta terça-feira (18) café da manhã com a base aliada para apresentar o texto incompleto.

Marun minimizou que o adiamento possa causar impacto nas expectativas do mercado financeiro, que esperava a apresentação pública do texto final nesta terça-feira (18).

Fonte: Folha de S. Paulo
Para acessar a publicação original, clique aqui 
Foto: Lalo de Almeida 2009/Folhapress

Notícias Relacionadas

Dirigentes da base da Feeb-SP/MS recebem segundo módulo do curso de formação da Contraf-CUT

Programa trata da estruturação histórica das organizações sindicais e da luta dos trabalhadores O Curso de Formação Sindical para Dirigentes, da Secretaria de Formação da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), estreia o seu segundo módulo nesta sexta-feira (17) e no sábado (18) para as bases da Federação dos Bancários de São Paulo […]

Leia mais

Bancários se preparam para Conferência Nacional da categoria

Consulta aos trabalhadores nas bases sindicais de todo o país e conferências estaduais e regionais servirão de subsídio para os debates nacionais que levarão à construção da pauta de reivindicações e da estratégia da Campanha Nacional 2024 Bancárias e bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, entre os dias 4 e 9 […]

Leia mais

Lucro da Caixa cresceu 49% no 1º trimestre de 2024

Com 1,56 milhão de novos clientes e 168 empregados a menos no quadro de pessoal, aumenta também a sobrecarga A Caixa Econômica Federal anunciou na noite de quarta-feira (15) um lucro líquido recorrente de R$ 2,88 bilhões no primeiro trimestre de 2024, alta de 49,1% em comparação ao mesmo período de 2023 e de 0,5% em relação […]

Leia mais

Sindicatos filiados