Igualdade de gênero: Centrais sindicais lançam campanha pela Convenção 156

16.11.2015

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) e as centrais: CTB, CUT, Força Sindical e Nova Central lançaram na última quinta-feira, (12), em Brasília a campanha pela ratificação da Convenção 156, que trata da igualdade de gênero nas relações de trabalho. Na ocasião também foram celebrados os 20 anos da Conferência Mundial sobre A Mulher de […]

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) e as centrais: CTB, CUT, Força Sindical e Nova Central lançaram na última quinta-feira, (12), em Brasília a campanha pela ratificação da Convenção 156, que trata da igualdade de gênero nas relações de trabalho. Na ocasião também foram celebrados os 20 anos da Conferência Mundial sobre A Mulher de Pequim. “É de suma importância que o Brasil ratifique e cumpra essa Convenção, porque fala da igualdade para as mulheres. Só na categoria comerciária, somos 70%, sendo 40% dessas mulheres responsáveis por todos os lares”, destaca Regina Pessoti, secretária nacional da Mulher da UGT.

O Fórum Nacional das Mulheres Trabalhadoras das Centrais Sindicais se reuniu em audiência pública conduzida pela deputada Jô Moraes, na Câmara dos Deputados, que pontuou a importância dessa Convenção para o Brasil. "Não temos dúvidas de que a questão da mulher seja uma luta, uma pauta universal, que nós (a Comissão) podemos assumir", declara a deputada.

A Convenção 156 feita pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) estabelece, entre outros benefícios, proteção aos trabalhadores de ambos os sexos que tenham sob sua responsabilidade filhos ou filhas dependentes ou membro da família que precisem de cuidados ou apoio. A OIT reivindica que o governo se comprometa formalmente em implementar políticas públicas para que pessoas que necessitam de cuidados não fiquem sob total responsabilidade das famílias e, em particular, das mulheres.

Para Regina, a presença de todas as centrais teve um peso importante para a importância dessa ratificação, que vai servir de modelo para toda a América. “Em se tratando de mão de obra produtiva, e ser mulher, é importante que as centrais atuem juntas. Temos que trabalhar bastante. Foi proposto marcar uma outra audiência pública, agora só para trabalhar a 156”, informa a secretária.

Fonte: UGT
 

Notícias Relacionadas

Caixa terá processo seletivo para a escolha dos diretores da FUNCEF

Inscrições já foram iniciadas e seguem até a próxima quinta-feira (9/2) Os cargos de diretor-presidente e diretor de Investimentos e Participações Societárias e Imobiliárias da Fundação dos Economiários Federais (FUNCEF) serão escolhidos por meio de processo seletivo. O anúncio foi feito em edital publicado pela Caixa. As inscrições tiveram início na última sexta-feira (3/2) e […]

Leia mais

Santander implementa teletrabalho em áreas administrativas

Modalidade é válida para áreas administrativas e contemplam eixo São Paulo e Rio de Janeiro O Santander anunciou que irá implementar o teletrabalho (home office). A modalidade é válida para bancários das áreas administrativas, lotados majoritariamente no eixo São Paulo e Rio de Janeiro, segundo as regras previstas na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. As […]

Leia mais

Santander paga PLR e demais adicionais no dia 28 de fevereiro

Representantes da Comissão de Organização de Empregados (COE/Santander) foram informados nesta terça-feira (01), sobre a data de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). O valor será creditado no dia 28 deste mês. Junto com a PLR bancárias e bancários do Santander receberão os percentuais do Programa Próprio de Resultados do Santander (PPRS), do […]

Leia mais

Sindicatos filiados