Instituições no Brasil estão adequadas à Basileia 3

12.12.2013

O Comitê de Basileia para Supervisão Bancária, na Suíça, informou que o sistema financeiro do Brasil está aderente às regras de Basileia 3. A informação foi divulgada pelo Banco Central (BC). O relatório com o resultado do Brasil foi publicado no site do Bando de Compensações Internacionais (BIS) e a nota final atribuída à regulamentação […]

O Comitê de Basileia para Supervisão Bancária, na Suíça, informou que o sistema financeiro do Brasil está aderente às regras de Basileia 3. A informação foi divulgada pelo Banco Central (BC).

O relatório com o resultado do Brasil foi publicado no site do Bando de Compensações Internacionais (BIS) e a nota final atribuída à regulamentação brasileira foi a máxima dada pelo comitê: "Compliant", ou seja, em conformidade.

Dos 14 componentes avaliados, 11 foram considerados como Compliant. Os demais foram considerados "Largely Compliant", ou seja, em conformidade parcial. No relatório, o comitê afirma que as divergências entre Basileia 3 e as regras brasileiras nessas três áreas (abordagem sobre risco de crédito, colchões de capital e "Pilar 2", que trata do processo de supervisão) são potencialmente graves ou "atualmente nada graves". O comitê sugere que esses componentes sejam "mantidos sob revisão".

Em discurso em São Paulo na quinta, o presidente do BC, Alexandre Tombini, havia comentado sobre os resultados do programa. "O Brasil acabou de ser avaliado, e as nossas regras foram consideradas aderentes ao acordo", afirmou em almoço da Febraban. "É mais uma demonstração que a regulação do Brasil está em linha com os padrões internacionais", disse.

O resultado é a conclusão do Regulatory Consistency Assessment Program (RCAP), programa que avalia o grau de aderência da regulamentação prudencial de um país aos padrões mínimos acordados no Comitê de Basileia e referendados pelo G20. O Brasil é membro do comitê de Basileia desde 2009.

A equipe de avaliadores foi composta por representantes de autoridades supervisoras de países, como Alemanha, França, Índia, Japão, e Suécia, e de representantes do secretariado do comitê.

Em nota à imprensa, o BC afirmou que o resultado da avaliação "denota o compromisso do Brasil na adoção dos melhores padrões internacionais". O programa de avaliação do comitê de Basileia, em conjunto com o do Programa de Avaliação do Setor Financeiro (FSAP) realizado em 2012, pelo Banco Mundial e pelo FMI, "confirmam que o sistema financeiro brasileiro é sólido e resiliente".

No mesmo discurso em São Paulo, Tombini afirmou que o "Sistema Financeiro Nacional como um todo não necessitará de capital adicional no agregado para cumprir Basileia 3, e a sua adoção no Brasil terá impacto neutro sobre a expansão da oferta do crédito ao longo dos próximos anos". "A adoção de Basileia 3 no nosso quadro regulatório contribui para fortalecer a solidez do Sistema Financeiro Nacional, melhorar o nosso custo de captação, além de aumentar a possibilidade de expansão internacional dos nossos bancos."

Fonte: Valor Econômico 

Notícias Relacionadas

Após repercussão das denúncias de assédio sexual, Pedro Guimarães pede demissão

Testemunhos das vítimas vieram a público na terça-feira (28) e assustam pela quantidade de casos e pelo grau de desrespeito e crueldade; Ministério Público investiga em sigilo O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, entregou seu pedido de demissão na tarde desta quarta-feira (29) ao presidente da república, Jair Bolsonaro. A decisão foi tomada […]

Leia mais

NOTA OFICIAL

NOTA OFICIAL Pelo imediato afastamento de Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, e o acolhimento e preservação das vítimas Nós, bancárias de todo o Brasil, manifestamos nossa indignação pelos atos de assédio sexual praticados por Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, que ganharam repercussão na noite de desta terça-feira, 28/06/2022, ao serem divulgados […]

Leia mais

Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul repudia ações de Pedro Guimarães, acusado de assédio sexual

Além de apuração das denúncias, representação dos empregados pede afastamento do presidente da Caixa Após se tornar pública a acusação de assédio sexual feita por diferentes empregadas da Caixa Econômica Federal ao presidente Pedro Duarte Guimarães, a Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, se solidariza com as vítimas e manifesta […]

Leia mais

Sindicatos filiados